nome blog

Quem é ela?

Afinal, quem sou eu? Quem é essa moça de sorriso contido e olhar curioso que vos escreve? No fundo nem eu mesma sei.
Nunca foi muito boa com essas coisas de me descrever, autobiografia, eu diria, é meu ponto fraco. Talvez por ser um pouco de tudo e tudo de muito.
Sou a menina mimada do último conto, a mulher ferida do último texto, a Julia¹, a Valentina², e a Malu³, até um pouco da Ceci¹¹ que ainda tá por vir. Sou um pouco de cada personagem, cada entrelinha e cada história.
Eu sou essa mistura de intensidade e sabor e palavras.
Sou o agora, o depois e o depois e o nada.
Sou brisa no meio da tempestade e furacão no meio da ventania.
Sou isso e já não sou mais, e sou de novo.
Sou as vírgulas do meio da frase, o dito e o não dito.
Sou coração. E alma. E um pouco de corpo, também.
Sonhadora e apaixonada.
Sou tanto e quase não sou.
Inverno, outono e primavera. Verão não.
Sou isso e um pouco das mulheres que eu escrevo como se fossem outras pessoas, mas que não são.

Gabriela Freitas tem vinte anos, carinha de pré-adolescente e humor de gente velha. É meio insegura, dramática e um tanto áspera. Personalidade forte, meio agridoce, sabe?! Apaixonada por boa música, fotografias e romances de fazer qualquer um chorar. Estudante de Jornalismo pela Universidade Mackenzie, amante de política, moda e cinema. Escritora de meia tigela, metida a romancista. Paulistana, noveleira e fiel na ideologia de manter os pés o mais longe possível do chão.

Criei o blog no final de 2010, aos quinze anos, quando meu coração pareceu ter sido quebrado para sempre. Não foi. Eu precisava de um lugar para desabafar e uma amiga me aconselhou a criar um espaço para expor meus textos feitos para-alguém-que-eu-esperava-jamais-ler em um lugar onde ninguém me conhecia, entrei no blogspot, gostei da interface e comecei a criar meu segundo mundo. Meu coração foi quebrado mais um trilhão de vezes pelo mesmo rapaz. E eu continuei escrevendo sobre como era ter um coração partido. E ele nunca me leu. E eu cresci. E o blog cresceu comigo. Resultado? Embarquei de corpo e alma em outros estilos de postagens, incluindo os contos que eu amo com toda a minha alma escrever, acabei descobrindo o que eu queria fazer para o resto da vida: jornalismo, passei a encarar o blog não como um diário-sobre-um-babaca, mas como uma segunda casa que reflete o meu ser interior e no final de 2014 comecei o meu primeiro livro.

Hoje, agradeço muito ao babaca que quebrou infinitas vezes meu coração, foi graças a ele que eu descobri o quanto amo as palavras e conquistei meu blog que hoje sem dúvidas é a minha coisinha favorita na vida. ♥

¹ ² ³Julia, Valentina e Malu fazem parte de web novelas
¹¹ Ceci é a personagem principal do meu primeiro livro

Qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência. Ou não.

Gabriela Freitas, att.
hehe