Nova Perspectiva

8 de janeiro de 2019

Você foi a minha canção de amor favorita - do Coldplay


Leia ouvindo Fix you - Coldplay (Óbvio, caso o título já não desse a entender)

Ainda não te tirei do modo aleatório do Spotify e cada vez que você toca é um sobressalto diferente. Já faz tanto tempo que você não vem, que eu não faço ideia do motivo do meu coração ainda se emocionar com aquela banda que você adorava.

Não faz o menor sentido você ainda mexer comigo e deixar as minhas pernas bambas. Mas meio que você deixa. 

Mês passado eu tive que dar um pulo na sua rua. Eu não fui te perseguir nem nada. Eu tive um show da cantora que bem, que eu gosto. Eu fiquei nervosa com a possibilidade de te encontrar na esquina indo dar uma volta. Cismei que todo fox preto era seu, vê se pode. 

Se bem que eu nem me lembro se aquele carro que você costumada dirigir - e no qual eu te admirava -  era mesmo um Fox. A única informação útil eu resolvi esquecer. É, realmente a minha cara. 

Não esqueço que você continua fazendo aniversário em dezembro (bem, a não ser que você tenha mentido pra mim e nascido outro dia) e nem que você tem um dom pra comidas gostosas. Juro, você era fera naqueles sorvete de palitinho.

Não esqueço que você adorava fazer coisas diferentes e nem da sua paixão pela vida. Seus papos filosóficos me levaram a ver o mundo de outro jeito. Nem tudo é preto ou branco. Na maioria das vezes, é um pouquinho dos dois.

Eu quem fui, bem.. cinza demais. 

Mas.. Por falar no seu aniversário, eu vi que você começou a fazer filmmaking - se é que eu sei escrever isso. Eu lembro que você costumava adorar um youtuber que fazia isso. Eu não entendo do assunto, mas os seus ficaram tão bons, que eu escrevi um comentário e apaguei. 

Famoso orgulho.

Eu fui beber naquela rua movimentada aí do seu bairro, passei até por aquele balada mix que nós fomos um dia e lembrei de você - como se eu não lembrasse quase sempre. 

Como se o fato de saber que poderíamos ter sido e não fomos não me atormentasse até hoje.  Talvez seja eu mesma quem aperte o botão pra tocar a música que me lembre você. Eu ainda não aprendi a fazer cisnes de papel e talvez eu nunca vá aprender, mas eu já pensei em comprar um e te enviar, só pra pedir desculpas. 

Por nada - e por tudo.

Eu penso em você e penso que você foi a minha canção de amor favorita do Coldplay. Penso que se eu pudesse ter tudo, preferiria ter você outra vez. Você foi uma porção de coisas que talvez eu nunca consiga colocar no papel principalmente porque até hoje, eu não consegui entender.

Talvez por ter sido nova demais - ou por ter jurado de pé junto que não precisei sentir nada. Ou talvez por você nem ter sentido. Mas talvez tenha sido por todas as borboletas que você fez brotar no meu estômago. Ou pelo brilho que se acendeu depois de anos de abuso psicológico vendado e que você, fez parecer que nem existia.

Não tenho muitas certezas. Foram muitos tropeços. Os roxos ainda estavam tão presentes em mim. Não foi culpa minha ter tido medo de amar você. Não foi culpa sua não ter notado.

Não tenho certeza até hoje se os momentos bons pesaram mais do que os ruins. Eu posso ter sido bem complicada.

A única certeza que eu tenho é que você, bem.. você foi.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.