Nova Perspectiva

20 de fevereiro de 2018

O que não te contam sobre o fim de uma relação

Dói, mas isso todo mundo já sabe, não sabe? Dói como se cada pedaço do seu corpo estivesse sendo esmagado por um trator, dói como se cada um dos seus órgão estivesse saindo pra fora de você de uma só vez, dói como se tivessem arrancado o seu coração e não houvesse anestesia capaz de fazer você não sentir nada. E não importa quão certa você esteja da sua decisão, nem se ela é a melhor escolha, se despedir de um grande amor nunca é fácil. Nunca!

Você sente que não vai conseguir fazer mais nada além de chorar. E você chora. Chora no ombro das amigas, chora vendo as fotos antigas que ainda estão não seu celular, chora lendo as conversas e lembrando de todos os momentos bons, chora procurando saber dele e fuçando nas redes sociais, chora se perguntando se fez a coisa certa, se era isso mesmo que você queria. Chora feito uma criança agarrada no travesseiro com medo de dormir sozinha, chora até começar a faltar ar pra respirar, chora como se o aperto não peito não fosse passar nunca. Chora como se o mundo tivesse acabando.

Mas aí é que está, eu tenho uma coisa pra te contar: o mundo não acaba.

Não, eu não estou aqui pra te dizer que ele não é o único no mundo, nem pra te falar que se não deu certo, é porque não era ele, porque não era pra ser. Também não vim reafirmar o que todo mundo diz sobre precisar ser forte e seguir em frente. Você não precisa ser forte. Não precisa fingir que está tudo bem, nem sentir vergonha se não estiver. Você não tem que forçar a barra só pra parecer superior, não importa se ele já tá curtindo as festas ou se continua pensando em você, o que importa é o que você está sentindo e como está lidando com isso. E isso ninguém conta.

Tá tudo bem se você correr atrás dele mesmo tendo jurado que já não sentia mais nada, tudo bem se você assistir três vezes por semana aquele filme que viam juntos, se não parar de ouvir a música dos dois e se ficar se perguntando onde foi que começou a dar errado, tudo bem se quiser ouvir a voz dele e saber se lá tá tão difícil como está pra você. Depois do fim, você vai se questionar se realmente havia motivos pra acabar, vai começar a acreditar que dava pra ter insistido mais, que dava pra ter lutado mais, pra ter tentado mais. Mas não dava. E é isso que você vai começar a entender conforme os dias forem passando.

Cada semana que ficar pra trás, vai levar um pedaço daquele amor junto. Você vai começar a não sentir tanta falta das mensagens, a não querer tanto ouvir a voz dele, a esquecer as falas do filme, a enjoar das músicas que escutavam juntos. Vai conhecer outros restaurantes, outros bares, outras festas, outros caras, outras bocas. Vai começar a ter novas conversas, novos assuntos, novas histórias. Vai cansar de rever as fotos e até apagar algumas, vai arquivar a conversa e, depois, deletar, pode acreditar em mim, e vai começar a abrir espaço pra uma nova vida, com novas coisas, e novos motivos pra ser feliz.

A dor vai ficar pra trás. O choro também. Assim como as lembranças e os planos que vocês faziam. Porque, como eu disse, o mundo não acaba. Os dias continuam passando, as pessoas continuam chegando, e o que parecia não ter fim, começa a fazer sentido exatamente por ter acabado.

2 comentários:

  1. É isso! O mundo não acaba e o tempo será um bom amigo! A questão é que, no momento, a dor parece que não vai passar. Ainda bem que passa! Tudo passa! ;)

    beijos!

    https://ludantasmusica.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. "Saindo de dentro de você" ficaria melhor do que o "saindo pra fora". Muito redundante!

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.