Nova Perspectiva

19 de fevereiro de 2018

É só uma maré, tudo vai passar


Eu sei. Confia em mim, eu sei. Parece que a melhor coisa pra se fazer é sumir, né? Arrumar as malas e sair por ai, sem saber pra onde ir. Sem realmente saber se queremos nos refazer ou se tudo que a gente precisa é recomeçar do meio. É que no fundo, bem no fundo, o medo de falhar logo no comecinho é gritante.

E como grita. Grita no meio da noite quando o sono se faz tranquilo. Grita no banho enquanto a água doce se mistura com o salgado das lágrimas, que mesmo sem querer, acabam caindo. E não é falho esse choro, mesmo que achemos que chorar é uma falha nossa. Não é falha em mostrar que dentro do peito bate um coração que sorri mas que também sabe que se render ao choro, é natural.

As coisas parecem sem solução, não é? Parece que cada dia que passa um novo problema surge, fazendo sala, te dando a certeza que ele habitou e ficou, parecendo um problema de estimação e que nada, nadinha pode acalentar esse furacão de sentimentos que devasta dentro da gente. Parece que nem o abraço mais gostoso conforta, nem o beijo mais demorado esquenta. Aquele filme que te fazia chorar tanto, agora, parece nada comparado a tudo que o teu coração já passou.

Já passou por tanta coisa e tá ai, batendo pra te mostrar que mesmo tudo dando errado, ele continua no lugarzinho dele, batendo por você. Só por você. Te fazendo acordar todos os dias e lutando diariamente com tudo que essa cabecinha desmiolada pensa.

Teu coração, mesmo cheio de remendos, te ensina que você deve sim, continuar a caminhar mesmo com tantos retalhos. Mesmo com histórias que não tiveram fim ou muito menos, um começo. Dentre essas remendas, eu, que vivo de fora posso escutá-lo lhe dizendo “ei, é só uma maré ruim, tudo vai passar. E quando tudo passar, volte pra cá. Praquele lugar que você sempre chamou de lar.” Você consegue ouvi-lo também?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.