Nova Perspectiva

2 de janeiro de 2018

Eu prefiro não saber mais de você

Antes de começar esse texto, eu gostaria de deixar claro que a nossa história está enterrada e eu não tenho intenção nenhuma de trazê-la de volta. Isso aqui não tem nada a ver com ainda amar você ou não amar mais você! Eu já te esqueci, já superei, já segui em frente. Não sinto mais o meu corpo estremecer toda vez que você se aproxima, não tenho mais vontade de perdoar os seus erros só pra te aceitar de volta e nem sinto mais aquela dorzinha chata no peito que me fez perder várias noites de sono. Você virou uma lembrança antiga que eu só não esqueço porque não é impossível, mas mesmo assim eu prefiro não saber mais de você.

Eu não te desejo mal, sabe? Não quero que você sofra o que eu sofri, nem que esbarre em alguém que te faça tudo o que você me fez passar ou que o universo te devolva os seus erros. Por muito tempo eu quis, confesso. Achava que o justo era você chorar tudo o que eu chorei por sua culpa, que cê tinha de viver o mesmo inferno que eu vivi, mas quando a raiva passa a gente percebe que não faz diferença, nada vai apagar o que ficou pra trás, então não importa se você vai sofrer ou não, se vai quebrar a cara ou não, eu já quebrei a minha e aprendi o que tinha de aprender com isso. Espero que você seja feliz, mas que isso aconteça bem longe de mim.

Depois de tudo o que aconteceu, eu acho melhor continuar com você bloqueado nas minhas redes sociais, no meu telefone e no meu coração. Dessa forma eu não consigo saber como é que você está, com quem você está ou se tem pensado na gente. Foi difícil me afastar, foi difícil me desapegar de tudo o que me levava a você, foi difícil abrir mão da gente, porque por muito tempo você foi tudo o que eu mais queria, mas hoje eu já nem sei quem você é. De lá pra cá muita coisa mudou, eu aprendi que vale mais a pena ficar sozinha, do que lutando pra me encaixar dentro de alguém que não tem espaço suficiente pr’eu entrar. Esse é um dos motivos deu escolher continuar distante.
Acho incrível essas pessoas que mesmo depois que acabam, continuam amigos. Que conversam de vez em quando, dão risada juntos e até falam do passado. Mas, sinceramente, eu não tenho a menor vontade em saber como é que está a sua vida, se você está realizando seus sonhos, se terminou a faculdade, se mudou de emprego, se continua viciado naquelas bandas estranhas ou finalmente fez o seu mochilão pelo Brasil. Eu não tenho a menor vontade de descobrir se você está feliz, se está triste, realizado, arrependido. Até espero que as coisas estejam caminhando bem, que você já tenha encontrado alguém que caiba em você e que te sirva também, mas não desejo saber de nada disso.

Eu segui com a minha vida quando me dei conta de que você não ia voltar pra mim, e que se voltasse não estaria arrependido de tudo o que fez. Eu nunca fui pra você o que você foi pra mim, mas o que importa é que agora somos iguais um para o outro: dois estranhos que poderiam ter vivido felizes para sempre, mas seguiram caminhos completamente diferentes. Não era exatamente isso que você queria? Então boa sorte ai não teu canto, porque a aqui não meu as coisas já andam ótimas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.