Nova Perspectiva

29 de novembro de 2017

Eu venci você

Perdi a conta de quantas vezes durante este tempo eu ouvi diferentes pessoas me falarem que ia passar, perdi a conta de quantas noites fiquei abraçada ao travesseiro tentando entender o que foi que te fez desistir da gente pra ver se assim eu desistia também. É difícil de aceitarmos o fim quando o nosso coração ainda está preso na história. O meu estava. E queria continuar vivendo ali, mesmo estando sozinho.

Eu prolonguei o meu luto o máximo que pude, porque não sabia se estava pronta pra seguir sem sua mão segurando a minha. Enquanto você seguia em frente e saía de segunda a segunda com os seus grandes amigos atrás de diversão fácil, eu ficava em casa tentando sentir o seu cheiro que tinha ficado impregnado no meu guarda-roupa. Era doloroso olhar pra mim e não te imaginar percorrendo cada poro do meu corpo. Depois que você foi embora, eu sobrevivi da sua ausência pra não morrer de solidão.

Muita gente não entendeu o que é que eu estava fazendo da minha vida. Pra ser sincera, chegou um momento em que nem eu mesma sabia. Só que eu não conseguia te tirar de dentro de mim. Você partiu, mas fez questão de deixar cada parte minha tatuada com seu nome. Demorei pra entender que o que eu estava fazendo comigo não era justo. Demorei pra me convencer a te tirar das redes sociais e bloquear os seus perfis de todas elas. Eu não queria parecer infantil, mas estava ficando patético abrir o celular e te ter como primeiro nome em todos os lugares.

Com o passar dos dias, a esperança de que você ia cansar de toda aquela curtição e então voltaria para me encontrar foi acabando. Eu entendi que você não ia dizer que estava arrependido, e que também não me pediria outra chance para tentarmos dar certo de novo. Enquanto eu me revirava na cama com as nossas fotografias espalhadas no chão do quarto, você estava se revirando nos braços de outra pessoa, com as roupas espalhadas no chão de qualquer lugar. A cada semana fria que eu enfrentava sem você, fui me dando conta de que eu estava me desgastando por alguém que já nem fazia mais questão de lembrar de mim.

Eu queria ter tido outra opção além de me livrar de você. Acho que se eu tivesse, teria escolhido por nós dois, mas você não me deu essa alternativa e tudo o que eu consegui fazer foi te deixar sair de mim. Uma hora teu cheiro saiu das minhas roupas e eu já não conseguia mais lembrar qual era o nome do teu perfume. Fui parando de perguntar de você, de querer saber como é que estavam as coisas na sua vida. Isso não era mais da minha conta. Passei a me preocupar comigo. Desfiz nossa amizade no facebook, te dei unfollow no instagram, bloqueei seu telefone e me livrei das nossas fotos. Foi esse o jeito que eu encontrei pra recomeçar.

Com você distante, minha vida voltou a andar pra frente e eu fui percebendo que cê era um peso desnecessário que só cansava os meus ombros e atrasava a minha viagem. Apesar de todas as lágrimas que eu derrubei no começo e dos dias em que realmente cheguei a acreditar que não suportaria chegar inteira no fim dessa história, ter te perdido foi a melhor coisa que me aconteceu. Uma pena eu ter demorado tanto pra entender isso, mas quando eu entendi jurei que jamais esqueceria do quanto o meu sorriso fica bonito sem você pra desmanchá-lo.

Foi uma luta pesada, uma batalha árdua, e eu quis desistir diversas vezes e te ligar implorando pra você me amar de novo. Mas eu resisti. Tropecei algumas vezes, é verdade, mas sai ilesa em todas elas. Talvez eu tivesse que passar por você pra aprender alguma coisa ou a vida só estava testando a minha força. E se for isso, ainda bem, porque eu venci você e apaguei nós dois.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.