Nova Perspectiva

9 de outubro de 2017

Você é a minha prova de que a gente não foge do destino

Nunca achei que a frase “Deus escreve certo por linhas tortas” pudesse fazer tanto sentido como começou a fazer depois do dia em que você entrou na minha vida. Eu não costumava ser muito o tipo que acredita em acaso, destino, horóscopo e hora certa. Pelo contrário, era até um pouco cética em relação ao amor. Pra mim, essa história de cruzar sem querer querendo com a metade da sua laranja era papo de filme de amor. Bonitinho, mas clichê demais pra ser verdade. Até que a gente se esbarrou.

Se a terra batesse no sol faria menos estrago do que você fez em mim quando olhou nos meus olhos e sorriu. Fofo, né!? Mas antes deu conseguir achar isso lindo, eu senti medo. Eu senti medo porque o meu mundo parou e tudo ao nosso redor desapareceu. Eu senti medo porque não entendia o que era aquilo que estava acontecendo. Eu senti medo porque eu sempre fui meio marrenta e ninguém tinha conseguido me desarmar do jeito como você fez. Eu senti medo. Quis fugir, desaparecer, sair correndo e me esconder da gente. Mas você segurou na minha mão e me fez acreditar que ia ficar tudo bem. E ficou.

Nunca imaginei que eu pudesse me tornar mais uma dessas garotas apaixonadas, sonhando acordada com o dia do nosso casamento e sorrindo feito boba pra tela do celular quando ele vibra e aparece o seu nome na tela. Nunca imaginei que eu fosse ficar esperando o seu bom dia, querendo ir dormir com o seu beijo de boa noite e nem me acostumar com essas borboletas morando no meu estômago. Nunca imaginei que eu fosse desistir de bancar a desapegada e me render ao apego de alguém. Mas eu me rendi ao seu. E essa foi a melhor escolha que eu poderia ter feito.

Você me ganhou tão fácil que parece mentira. Quando eu me dei conta do que tinha acontecido, já não dava nem mais pra fingir que não era nada. Tava na cara que era tudo, que era amor. Por muito tempo eu me esquivei do felizes para sempre, por muito tempo eu me neguei a acreditar nesse blábláblá de contos de fadas e preguei o desamor. Não queria perder noites imaginando cenas que talvez nem acontecesse, não queria abrir minha alma pra alguém entrar, bagunçar e ir embora, não queria baixar a guarda, deixar acontecer, só que você aconteceu mesmo sem eu deixar.

Você aconteceu porque tinha que acontecer. Era daquele tipo de história que já vem escrita. Tinha que ser. A gente não foge do destino, hoje eu sei. Ainda bem!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.