Nova Perspectiva

14 de outubro de 2017

De vacilo em vacilo, o amor acaba

Eu tentei fazer a gente dar certo muito mais do que podia moreno. Desperdicei todo o meu tempo acreditando nas suas promessas, nas suas desculpas. Perdi a conta de quantas chances eu te dei durante esses anos, de quantas vezes eu recomecei a nossa história pra não ter que ir embora mesmo sabendo que ela já tinha acabado. Não sei mais quantas foram as vezes em que eu engoli o seu “agora vai ser diferente” sabendo que não ia ser, só porque eu queria que você voltasse a ser aquele cara que eu conheci e achei que me casaria um dia. Por mais idiota que pareça, eu queria confiar que as coisas ainda podiam dar certo entre nós, só que eu lutei sozinha contra o mundo pra fazer isso acontecer enquanto você abraçava ele nas minhas costas.
Sabe moreno… Eu achei que eu nunca mais ia conseguir deixar de amar você. Talvez por isso eu tenha insistido tanto na gente, talvez por isso eu tenha sentido tanto medo de te abandonar pra trás e seguir em frente sem a sua companhia. É que só de pensar em você meu corpo já tremia inteiro, só de te ver, de te olhar, todo o resto perdia importância. Acho que eu ficava cega quando você chegava perto, quando você me tocava, quando dizia que me amava e que não conseguia mais viver sem mim. Era tudo da boca pra fora, eu sabia que era, mas e daí? Eu queria acreditar, eu queria que fosse verdade, ai eu me enganava fingindo que era a última vez que eu ia te perdoar e passar por cima de tudo. Por muito tempo eu esqueci todos os seus erros, relevei todas as suas bolas foras, mas uma hora eu cansei de ser feita de otária e continuar fingindo que não tava percebendo.

Eu via as suas mancadas, as suas mentiras, mas eu não queria desistir da gente, pelo menos não tão fácil, não tão cedo. Eu precisava tentar dar certo com você mesmo que isso me destruísse inteira no final. E eu tentei. Eu fui até o fim da linha por nós dois, mas você não chegou nem na metade do caminho, então não me culpe pelo nosso fim. Saí em pedaços dessa história, é verdade, mas com a consciência tranquila de quem sabe que não perdeu um amor, mas se livrou de um encosto. Fui abrindo mão da gente e cê tava tão ocupado agarrando outros braços que nem percebeu eu me desvencilhando de você. É uma pena moreno, porque você não vai encontrar outra de mim tão fácil por aí. Quando você se deu conta do que tava acontecendo, já era tarde demais pra tentar me convencer mais uma vez a insistir na gente. Eu já não queria mais continuar aqui.

De vacilo em vacilo, você foi minando o nosso amor, destruindo ele, até o dia em que acabou de vez dentro de mim. Não restou nada, nem carinho. Fui parando de ver poesia na gente e comecei a achar a nossa história um clichê chato, sem graça, sem sal, desses que dá preguiça de ler. Aos poucos, passei a me dar conta do quão pequeno você era e do tanto que eu tava tendo que me espremer pra caber ai dentro. E que isso não valia a pena. Eu tava me desgastando a toa por alguém que não ia mudar, que não estava disposto a tentar de verdade, a se esforçar de verdade. Você nunca ia deixar de ser um cara babaca, mas eu não estava mais disposta a ser passada pra trás. Sinto muito, só que eu sinto mesmo é por você que me perdeu, porque eu… ah! Eu to bem melhor agora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.