nome blog

1 de agosto de 2017

Namoro não é só amorzinho

Tem dias que a gente mais parece cão e gato, tudo vira motivo pra discussão e cara feia, até aquelas coisinhas bobas, sem importância, irrelevantes, que em um outro momento passariam despercebidas, causam uma tempestade desnecessária. É como a minha vó costuma dizer, tem dias em que parece que os dois acordaram com a macaca, sabe? Um alfineta daqui, o outro cutuca dali e de repente tá uma baita discussão sem pé nem cabeça, quando acaba a gente mal consegue explicar o por quê que aquilo começou. Mas namoro tem disso, né!? Uns dias bem ensolarados e umas tardes meio nubladas, chuvosas.


Antes de esbarrar com ele, eu também achava que em um relacionamento duradouro tudo era só amorzinho. Que dar certo era não sair do sério nunca… Acreditava naquele clichê de ver filme no netflix embaixo da coberta, dormir agarradinho, comer brigadeiro na panela, postar fotinho com legenda fofa nas redes sociais, ter alguém pra conversar e dividir os problemas, ou só pra cair na farra junto e esquecer o resto do mundo. Tá bom... namoro é isso tudo, mas a parte difícil também existe e não dá pra fingir que não. E tudo bem se o céu não tiver sempre cor de rosa! As tempestades também são boas. A gente só têm que estar preparado pra elas e saber tirar o melhor.

As vezes rola umas crises de ciúmes que depois que passam acabam até virando piada, sem falar nas trocas de farpa por besteirinhas e nas brigas que não fazem o menor sentido! Tem bico à toa, reclamação sem motivo, chatice, implicância, encheção de saco e cansaço… Tem dias que são punks, parece que não tem mais o que fazer, que o melhor é desistir, deixar pra lá sabe? Umas fases em que a gente só tem vontade de esquecer que o outro existe. Mas não esquece não. Tem épocas em que a gente se estranha sete dias por semana e isso faz pensar se realmente vale a pena continua, se é o que queremos… E no fim é sim, sabe? Porque relacionamentos perfeitos são um porre! Esse papinho de que tudo é mil maravilhas e nada nunca dá errado me dá preguiça só de pensar. Viver sorrindo o tempo todo também tira do sério. Enjoa.

Pode parecer um pouco de loucura da minha cabeça, mas é bom um furacão de vez em quando pra mudar a rotina e fazer a gente lembrar que é pra valer e que vale a pena. São nesses momentos difíceis, nessas horas de crise, de quebra pau, que eu olho pra ele e entendo que apesar dos pesares, é do lado dele que eu quero estar daqui vinte anos, então mesmo morrendo de vontade de sair correndo, eu fico. E ele fica também. Mesmo que seja pra ficar de cara emburrada. E se você quer saber, não tem nada melhor do que deitar a cabeça no travesseiro e saber que, mesmo entre altos e baixos, o nosso amor tão imperfeito e bagunçado têm vencido cada dragão que aparece no nosso caminho.

0 comente aqui:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.