nome blog

7 de maio de 2017

Pra te esquecer



Disseram que já era hora de eu te esquecer. Colocar outro na cabeça e sei lá mais o que. Finjo obediência todos os dias. Me falam de você e finjo nem ligar. Ligar pra que, afinal? Você não vai atender mesmo. Nem aqui você ta mais. Resolvi aceitar que preciso mesmo te esquecer. Resolvi que preciso te tirar de dentro de mim, de uma vez por todas. Por isso me mantive ocupada a semana inteira, mas acho que já deu pra perceber que tudo falhou, afinal, aqui estou, mais uma vez, escrevendo sobre você.

Pra te esquecer fui dar uma volta no frio, apreciar uns girassóis na esquina. Lembrei da vez em que você me deu um girassol no meu aniversário de 18 anos.

Pra te esquecer eu vi um filme bobo. Aí percebi que era o mesmo filme que a gente "não viu" no cinema.

Pra te esquecer eu li um livro. Era do seu escritor favorito.

Pra te esquecer, escrevi. Foi sobre você.

Pra te esquecer, escutei uma música. Era a nossa.

Cê continua aqui. Dentro.




Fiz uma lista de livros para ler nesse mês. Contei minhas moedas pra ver se dá pra juntar e conhecer Paris. Era pra você conhecer comigo, lembra? Vamos nos beijar deitados na grama da Torre Eiffel, você dizia. Agora a gente não beija nem na esquina de casa.

Eu fiz um tanto de coisas. Banais. Bobas. Importantes. E você estava lá, em casa milésimo de segundo.

Dia desses li um livro. Você tava no personagem que gostava muito de café.

Tomei um gole de café de manhã. Senti o gosto do seu beijo.

Peguei um táxi em direção a qualquer lugar longe dos meus pensamentos. Tava tocando aquela música na rádio, aquela que você me apresentou.

O taxista me perguntou se podia pegar um caminho alternativo, pra ir mais rápido. Foi o caminho da tua casa.

Pra te esquecer eu já fiz mil planos. Te apaguei do facebook, do instagram e de todas as redes sociais existentes. Mas como é que faz pra apagar do coração? Te escrevi nele feito tatuagem, sabe?Tatuagem me lembra você.

Tentei te esquecer, mas te esquecer só me faz lembrar que eu ainda te amo.

1 comente aqui:

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.