Nova Perspectiva

18 de abril de 2017

Eu não sou mais uma idiota

Eu já fui passada pra trás, já apostei todas as minhas fichas em quem só tava querendo me dar uma rasteira e cai de cara no chão. Eu já me ralei inteira por culpa de alguém que tinha jurado me proteger, me cuidar, me amar. Eu me quebrei toda, já me parti em mil e um pedaços vendo o amor da minha vida destruir a minha vida. Eu já me entreguei pra quem não tinha espaço suficiente pra me receber e me espremi inteira pra conseguir entrar, até ficar sem ar e ter que sair a força. Eu já fui daquele tipo de menina que se entrega cento e dez por cento, que se joga, que vira o mundo do avesso pra fazer dar certo por quem só sabe o que é dar errado.

Eu já aceitei tudo calada pra não correr o risco de ficar sozinha, engoli o meu orgulho, os meus desejos, os meus sonhos. Eu me rebaixei, me ignorei, aceitei muito mais do que eu deveria aceitar, tudo pra não perder alguém que no fundo eu já nem tinha. Só que eu não sou mais uma idiota! Eu não sou mais uma dessas garotas que sofrem em silêncio e aceitam qualquer amor dado em conta-gotas. Eu descobri que sou inteira demais pra me matar por qualquer migalha, por qualquer pedaço.

Aprendi, depois de muita porrada, que é loucura se deixar de lado por outra pessoa, é loucura abandonar todas as suas certezas e as suas vontades porque não são as mesmas do outro. E eu não aceito mais nada que seja menos do que aquilo que eu acho que mereço só pra continuar tendo alguém comigo. Eu perdi o medo de cair fora, sabe? Eu desaprendi a ficar em quem não me faz feliz por completo, eu parei de insistir em quem desiste fácil. Hoje eu sei andar sozinha e aproveitar o caminho com a minha própria companhia, sem ter que implorar pra alguém ficar comigo. Por isso não precisa vir com esse papo de que o dia tá corrido e o tempo tá curto e a semana estressante demais, se você não tiver afim de ficar, tudo bem, sério, só não espere que eu vá deixar a porta aberta enquanto você se decide se vai cair fora ou tentar um pouco mais. Eu não engulo mais desculpas, nem engasgo com o que tá me incomodando, agora eu coloco pra fora, vômito, exponho. Não tolero mais ter que ficar guardando os meus desejos e as minhas vontades no bolso pra ter de abraçar e viver o dos outros.

Pô cara, eu gosto de você. Gosto mesmo, de verdade. Mas só isso não é suficiente pra acabar bem, sabe? Porque se eu tiver que escolher entre um de nós dois, eu fico comigo! Eu parto pra outra, pulo fora dessa história e embarco em uma nova. Pra dar certo, não adianta só meia dúzia de palavras bonitas, não basta só falar do futuro, planejar o amanhã e o depois e o depois, é preciso discutir o agora, o hoje! Tem que ser recíproco já. Se os dois não tiverem na mesma sintonia, a coisa não vai pra frente, não anda. E se eu percebo que não vai valer a pena, abro mão mesmo! É que eu descobri que se jogar é ótimo, mas melhor ainda é saber onde tá pisando. Eu adoro mergulhar e me afundo sem medo de perder o ar, mas antes disso conheço o terreno e garanto que não vou acabar batendo a cabeça porque é raso demais pra ir tão fundo. Se você só quero me enrolar e me fazer perder tempo, desiste, que o meu é precioso, e eu não gasto a toa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.