Nova Perspectiva

6 de março de 2017

Não entenda mal, só não quero mais gostar de você

Não me entenda mal, eu adoro conversar com você e adoro mais ainda ouvir seus elogios, mas não vivemos de elogios, não é mesmo? Às vezes eles ficam pegajosos demais. Tudo o que eu precisava era de uma briguinha boba pra chegar junto de um abraço, porque as vezes a desculpa é mais forte que o “eu te amo”. Que o “você é linda, e eu faria tudo pra te ter”. Que o “casa comigo”. Que o “deixa eu cuidar de você”. Às vezes o arrependimento cura mais rápido que o tal do amor eterno, porque cá entre nós, esse amor que você jura ai pelos cantos não duraria mais nenhum segundo se eu dissesse sim.

O meu “não” tem vários significados e eles não são, assim como minhas palavras, falsos. Eu digo não porque quero ver você insistindo mais um pouco. Quero ler e ouvir suas palavras carinhosas e quero sentir essa sua insistência que tem pelo meu amor, que até hoje não sei como aconteceu. Se eu digo não, é pra você ficar.

Se eu dissesse sim, você diria ”Já?” e partiria, porque é desse jeito que acontece nos contos da vida. O amor some depois que o coração descobre que o sentimento é reciproco, parece até que ele cutuca a consciência e diz “Ei, não faz isso porque você vai ser feliz, parte pra outra” e a consciência, que sempre achava não seguir o coração, só pra sacanear esse nosso envolvimento, seguiu por pura birra, dizendo: Viu só? Você não me escutou, eu ouvi o senhor coração e agora você ficou sem a outra parte da razão.

Eu já começava a gostar do seu cabelo e me sentir atraída pelo seu perfume. Começava a perceber a diferença entre cada Olá e a entender suas piscadas. Todas eram com segundas intenções, até aquela que você entregou para uma loira ontem a noite. Disse tantas juras que quase engasguei de ciúmes. Flertar com tanto charme deveria ser um crime, moço. Certas garotas acreditam em falsos amores. Cuidado para não arrastar corações, quando eles ficam aos seus pés, a locomoção da sua consciência tende a se tornar mais perigosa.

Eu não quero sentir isso de novo, não quero pensar que você é o tipo de cara que quer. Você só quer? E quando conseguir, o que vai fazer? Se for pra chegar no fim dessas palavras, quero continuar com a minha imaginação de atitudes, pensar que você pode ser o tipo de cara que conquista. E quando conseguir me conquistar, por favor, eu te peço. Fica.

-
Gostou? Você também pode ler meu livro online, O Jogo da verdade, clicando aqui.
Acompanhe meus textos: Facebook | Blog

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.