Nova Perspectiva

12 de março de 2017

Eu sonhei que era a mulher maravilha.

Clique para ouvir Shake it out - Florence + the machine enquanto lê o texto.

Quando o relógio despertou de manhã, eu fui aos poucos recuperando a consciência e conforme os segundos foram passando eu fui me lembrando do sonho que tinha tido naquela noite, engraçado, pois eu raramente lembro dos meus sonhos. Eu sonhei que por um dia eu era a mulher maravilha, sim a super heroína das historias em quadrinhos, a heroína criada com base em muitos conceitos feministas, a heroína que inspirou e inspira garotas ao redor do mundo a serem fortes e corajosas. Quem me conhece um pouquinho que seja sabe que eu sou uma grande admiradora da mulher maravilha, que ela é realmente uma inspiração de força e coragem para mim e acredito que de tanto pensar nela e ler sobre suas histórias, acabei sonhando.

No sonho, eu possuía poderes, eu tinha uma força extrema, combatia o crime e o mal, salvava pessoas indefesas dos poderes malignos, saltava de prédios para becos escuros e protegia os fracos e oprimidos, eu usava minha voz para proclamar o bem e enfrentava qualquer que fosse o mal com as garras de uma heroína. Eu buscava a verdade e lutava pelo o certo. Eu não me importava com meu peso, eu não queria estar em um padrão de beleza, meu cabelo não era um problema pra mim, não tinha vergonha de sair sem maquiagem ou com as unhas ainda com esmalte de semana passada, eu sabia que aquilo tudo não me definia, eu sabia que minha força interior era muito maior que qualquer detalhe exterior. Eu era a mulher maravilha, eu tinha meu laço da verdade e meu escudo, eu lutava em guerras e vencia batalhas, e mesmo cansada eu não parava de lutar, de proteger quem amava e de acreditar na justiça e na bondade das pessoas.

Mas o relógio despertou e eu acordei daquele sonho, era só um sonho. Ou talvez não fosse. Comecei a pensar que eu realmente sou uma mulher maravilha, eu sou sim uma super heroína, eu venço batalhas todos os dias apenas por ser mulher, que enfrento o mundo para proteger quem amo, mesmo cansada e esgotada eu não paro, eu arranjo um tempo em meio a uma agenda lotada para estar presente na vida de quem é importante pra mim, eu paro cinco minutos para aconselhar uma grande amiga, eu faço uma maquiagem rápida a caminho do trabalho, eu me destaco na minha profissão, eu busco aprender mais todos os dias, eu enfrento os relacionamentos que não deram certo, eu mantenho a cabeça erguida e continuo tendo fé no amor, mesmo que ele ainda seja algo muito confuso para mim. Eu não desisto da minha felicidade, eu luto todos os dias para ser alguém melhor e fazer algo de significante nesse mundo enquanto estiver por aqui. Eu percebi que embora eu não tenha super poderes, nem um laço da verdade ou um escudo protetor, eu sou uma grande lutadora e venço batalhas impossíveis todos os dias, luto para que outras mulheres tenham oportunidades de vencer também, as encorajo a serem fortes e acreditarem em si mesmas, eu acredito no melhor que há em cada pessoa e busco ser o melhor para cada uma delas. Eu sou minha própria heroína, eu sou minha mulher maravilha.

Então, eu levantei da cama, por coincidência ou não vesti uma saia azul e uma blusa vermelha, prendi o cabelo com uma tiara dourada, peguei a bolsa, enchi a xicara de café, dei dois goles para me fortalecer, afinal todo herói precisa de uma forcinha extra, e sai pela porta. Não sei o que o mundo tem para mim nesse dia, mas sei que vou vive-lo com a força e coragem de uma super heroína, que não desiste, que não duvida de si mesma, que se orgulha de cada batalha vencida, e sabe que tudo que ela vier a conquistar só depende dela mesmo. Eu sou a minha própria super heroína. Você é a sua super heroína. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.