Nova Perspectiva

5 de março de 2017

Espero que eu te perdoe

Algo aqui dentro de mim ainda chama por você, mas não escuto. Meu corpo inteiro, involuntariamente, já não responde mais aos comandos do coração, que grita e pede socorro como um refém dos ressentimentos. Tranquei meu amor dentro do peito e não sei mais se quero deixar as chaves nas suas mãos.
Fiz tanta força para que o amor não virasse ódio e só consegui depois de longos dias engolindo as decepções a seco. Não me permiti transformar um sentimento tão puro em algo tão sujo, mas não pude fazer milagre; o amor já não é mais o mesmo.
Meus olhos já não brilham mais quando me lembro do seu sorriso nem meus lábios sorriem de canto quando recebo uma mensagem sua. Não consigo mais me alegrar com os pequenos passos em sua direção. E as borboletas no estômago talvez tenham morrido com tanta indigestão.
Espero que eu te perdoe. Não por você, que nem ao menos pede perdão, mas por mim, para que eu possa libertar meu coração, aliviar esse aperto no peito e esse embrulho no estômago. E, apesar de tudo, espero que te perdoe, para que eu ainda possa te olhar nos olhos, te abraçar e te beijar de novo, sem medo, e reviver o sentimento mais bonito que já consegui sentir por alguém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.