Nova Perspectiva

20 de fevereiro de 2017

Uma verdade sobre nós, pessoas trouxas

Dizem que a gente aprende quebrando a cara, né? Aliás, falam que essa é a melhor forma de aprender algo. É caindo, é vendo que aquilo realmente machuca e que não daria em nada. Mesmo se tentássemos centenas de vezes, não adiantaria se a outra pessoa também não quisesse. Não vale a pena lutar sozinho, é tão obvio, só que a gente só aprende quando acontece o que, querendo ou não, já sabíamos. A gente só aprende quando acaba, quando nos machucamos, quando não aguentamos mais tentar. É assim mesmo. Não adianta ler esses textões pela internet a fora explicando os motivos para largar de ser trouxa. A gente é trouxa mesmo. Porque o amor faz a gente ser assim. Faz a gente acreditar e ver que aquela pessoa pode ser alguém melhor. Mas eu repito: Nada disso adianta se a outra pessoa também não quiser ser melhor. Ai sim amiga, você vai ser trouxa, porque além de estar amando sozinha, estará lutando por algo que não existe.

Sabe, não tem nada de errado em lutar por alguém, desde que aquela pessoa também queira lutar por você. Conhece a frase “o amor é uma flor roxa que nasce no coração de um trouxa”? Então eu digo que o verdadeiro trouxa é aquele que nunca amou. É aquele que tenta arrancar a flor. Não ia ser lindo ter um coração florido? Só que as pessoas esquecem de regar, de alimentar o amor, de fazer a flor crescer... ai ela murcha, fica podre, roxa, seca... Se for assim, prefiro cuidar da minha flor sozinha. Alimentar meu amor próprio e faze-la crescer.

As pessoas estão amando pela metade e esquecendo de se fazer inteiras.

Eu não gosto de amores meia boca, de beijos mornos, de abraços fracos, de suspiros vazios. Eu gosto de entrega, de vontade, de sossego, porque a alma pede isso e é isso que precisamos ter. Não vale a pena correr atrás de alguém que pelo menos não entregue metade disso. Você, eu, ela, ninguém aqui precisa de metades. Metades são feitas para tampar vazios e não estamos desesperadas ao ponto de nos sentirmos vazias. Nós somos cheias! E temos que mostrar para aquela pessoa que é assim que nos sentimos e não aceitamos menos do que o inteiro.

Pode ser trouxa, miga, trouxa por acordar cedo pra fazer seu café preferido. Trouxa por comprar aquele presente especial. Trouxa por fazer surpresas. Trouxa por querer um amor eterno. Mas seja tudo isso ao lado de alguém que também queira ser trouxa com você, que te entregue milhares de beijos, que faça você se sentir desejada todos os dias, que planeje uma viajem junto contigo, que faça você querer planejar um futuro, porque o amor deixa a gente assim mesmo. Bobos e felizes o suficiente para outras pessoas acharem que estamos sendo trouxas. Isso tudo só porque desejamos algo forte. São essas pessoas que estão em relacionamentos rasos, que aceitam a metade... e você não. Graças a Deus, você não. 
-
Gostou? Você também pode ler meu livro online, O Jogo da verdade, clicando aqui.
Acompanhe meus textos: Facebook | Blog

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.