nome blog

3 de janeiro de 2017

Você me ganhou fácil

Não faço ideia de como você conseguiu destruir tão fácil a minha armadura, sabe quantos caras tentaram isso antes de você? Foram vários! Acho que até já perdi a conta. Eles chegavam e insistiam um pouco, mas a maioria deles ia embora logo depois de perceber que não ia ser nada fácil continuar apostando em mim, mas você não... você ficou. Eles não resistiram ao meu mau humor matinal, à minha tpm e nem às minhas manias esquisitas, mas você resistiu à tudo isso. Eles fugiram, um a um, cada um depois de um tempo, porque não suportaram o meu gênio forte e o meu jeito mandão e a minha mania de querer estar sempre certa, mas você suportou. Você não desistiu, mesmo eu te pedindo pra jogar a toalha tantas e tantas vezes.

No fundo, no fundo, eu sei que não ligava muito quando eles iam. A verdade é que eu nunca estive disposta a me apaixonar. Não que meu coração já não tenha batido mais forte por alguém, mas era exatamente por isso que eu fugia das borboletas que tentavam invadir o meu estômago. Teve uma vez que eu cedi, enfraqueci, abri guarda e elas entraram. Invadiram meu corpo e começaram a voar aqui dentro. No começo foi lindo, mas depois... Bom, já faz tempo, mas certas dores duram o resto da vida. Depois que eu me livrei de cada hóspede e só restaram as lembranças ruins, eu jurei que aquilo nunca mais ia acontecer. Não comigo! Amar não valia o risco de acabar daquele jeito mais uma vez. Mas ai você veio. E ficou. E como é que eu ia resistir a esse seu jeito birrento de quem bate o pé e faz morada?


Eu estive fechada pra vida e fui feliz assim, sabe? Aprendi a ver graça em romances de uma noite, em conversas que não duravam uma semana, em bocas que eu desconhecia o nome. Aprendi a ser só, mesmo quando tava cercada de outras pessoas. Eu não me envolvia. Não me doava. Não tava disposta a permitir que esses casinhos virassem romances, porque eu não acreditava mais no amor. E quando você chegou, com esse nariz empinado, cheio de certezas sobre nós, eu quis rir porque cê não fazia ideia de onde estava se enfiando. Mas você sabia sim. Você sempre soube. E não se assustou, não saiu correndo, nem se escondeu na primeira oportunidade. Talvez tenha sido por isso que você me ganhou tão fácil. Ou foi por todas as vezes que você me ligou no meio do dia só pra dizer que tava com saudade ou foi nas tardes que cê foi me buscar no trabalho pra me fazer uma surpresa ou naquelas noites que você apareceu aqui em casa com pizza e vinho e me fez rir a madrugada inteira. Ou foi em todos esses momentos juntos que o meu coração descompassou e eu nem percebi.

Juro que tentei resistir, ser mais forte que você. Lutei contra. Prometi não deixar você ultrapassar o meu limite, a tal da zona de perigo e nem chegar perto demais do meu coração. Mas quando eu me dei conta de tudo que estava acontecendo, sua escova de dente já tava ao lado da minha, eu já tava esperando suas mensagens de bom dia e pensando no nosso próximo encontro. Antes que eu pensasse em cair fora, já tava com um sorriso bobo no meio do rosto e minhas amigas já riam quando eu falava o seu nome porque, de repente, eu só sabia falar de você. Eu não tive tempo de criar uma barreira, de me proteger, de te impedir de entrar. Você me ganhou muito fácil. Foi no papo, no jeito, no sorriso. Foi nessa mania de segurar minha mão cada vez que eu achava que ia dar errado e queria sair correndo. Você me conquistou no olhar manso, no afeto, no cuidado, na atenção. E eu nem percebi que tava sendo conquistada até te encarar e perceber que eu não quero nunca mais deixar de te ver.

0 comente aqui:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.