Nova Perspectiva

25 de janeiro de 2017

Sinto muito, mas agora sou eu que não te quero mais

Oi, tudo bem? Eu vi que você me ligou moreno, mas, sinceramente, to preferindo não ouvir sua voz tão cedo. Não é por mal não... juro! Só que eu acho que não faz mais sentido a gente continuar com isso. Acabou! E nem foi por escolha minha, você que pegou suas coisas e caiu fora sem nem me avisar, sem deixar sequer um bilhete de despedida, e agora cê quer voltar pela centésima vez como se todas as suas partidas não me partissem também? Qual é a sua cara? Você acha que tem o direito de sair pra se divertir enquanto eu continuo aqui? Enquanto eu espero cê perceber que lá fora não tem nenhuma que te ama como eu? Que aguenta seu mau humor e suas vontades esquisitas? Que continua do seu lado mesmo quando seu bolso tá vazio e as coisas não andam boas? Pra que moreno? Pra você entrar, me bagunçar, prometer mil e uma coisas e sair de novo daqui uns dias? Dessa vez não!

Sabe aquele papo de vó que quem muito se ausenta uma hora acaba deixando de fazer falta? Pois é moreno! Cê ficou tanto tempo por ai, fazendo sei lá o que, sei lá onde, enquanto eu, justo eu que sempre estive contigo, chorava e me descabelava pensando no que é que cê tava fazendo, com quem é que você estava e se em algum momento ia voltar de novo pra mim, que eu me acostumei com a solidão... e sabe o que é pior? Percebi que ela nem é tão ruim assim... ficar com você já era meio solitário de qualquer jeito. Eu tava sozinha na nossa relação, sempre estive! Quando só um ama, não tem como ser diferente. E o sentimento era só meu, sabe? Eu sei que você gostava da gente, mas era do mesmo jeito que eu gosto de comer macarrão aos domingos, entende a diferença? Cê não sentia o que eu sentia. Não perdia o eixo quando me via, seu coração não acelerava quando eu chegava perto, e pensar em me perder nunca foi a pior coisa do mundo. Mas o problema nunca foi esse. Ninguém tem obrigação de amar ninguém! O problema é que você brincou durante todo esse tempo, fingiu, encenou algo que não existia. E isso moreno, eu nunca vou perdoar!

Demorei pra conseguir aceitar que nós dois jamais daríamos certo. Demorou preu parar de perder minhas madrugadas esperando uma mensagem sua dizendo que tava com saudade, demorou preu me convencer de que aquela ligação surpresa no meio da noite não ia chegar. Demorou pra ficha cair, é verdade... demorou porque eu não queria enxergar o que estava bem diante do meu nariz, eu não queria enxergar que por mais que eu me esforçasse e insistisse, não tinha como mudar o que a gente era... e a gente nunca foi nada. Nunca! E de tanto acordar sozinha nos finais de semana, de tanta ser ignorada enquanto você curtia com sei lá quem, de tanto ver você se divertindo com os seus amigos em lugares que não me convidava pra ir junto, eu comecei a gostar de estar sozinha. Sabe quando cê começa a perceber que sua própria companhia não é tão ruim assim? Então moreno... Eu me dei conta de que estar comigo era bom e não entendia por quê é que cê não ficava. Eu comecei a entender que o problema não era comigo, mas com você.

Me convidei pra sair alguns dias, me arrumei inteira pra encontrar comigo mesma e quando dei por mim, já estava sentada numa mesa lotada num bar do centro da cidade, rindo como eu não ria há anos! Já tinha um monte de gente a minha volta e você nem fazia falta. Eu lembrei de como é bom ser feliz, de como é fácil ser, de como eu consigo me bastar sozinha. Eu me lembrei que existe uma vida além de você e que ela é maravilhosa! Eu me lembrei que não é tão difícil te esquecer... e fui te esquecendo moreno. Dia após dia eu deixava um pouco de você pelas ruas, pelas festas, pelos restaurantes, pelos lugares que eu ia. Cada dia eu te abandonava um pouco e você nem percebeu... Você nem se deu conta de que eu tava te deixando pra trás e ai eu me libertei. Quando cê sentiu falta do conforto de ter alguém que faz tudo por você e voltou pra me ter de novo, você já não morava mais em mim. Eu já não transpirava mais o seu nome.

Por isso eu não te atendo mais. Nem hoje, nem amanhã, nem daqui dez anos. Por isso eu não retorno as suas mensagens. Por isso eu não abro a porta quando cê toca a campainha às 7 horas da manhã. Eu esperei demais por tudo isso. Eu sonhei demais com você correndo atrás de mim, com você insistindo por nós, querendo me ter, falando de amor... Mas eu sei que é tudo da boca pra fora moreno! Eu sei que cê só tá desesperado por ter perdido a única garota que realmente corria por você. Só que eu já não posso fazer nada. Eu fiz muito, entende? Eu fiz mais do que eu devia ter feito, você sabe disso, eu fiz mais do que qualquer outra nesse mundo teria feito por você. Só que eu cansei. E ó: o azar é todo seu, porque eu sinto muito, mas agora sou eu que não te quero mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.