Nova Perspectiva

12 de janeiro de 2017

​Eu te quero bem, mas não de volta

Sofri. Sofri quando você foi embora, quando você disse que o nosso amor não era mais suficiente pra te fazer ficar e quando você apareceu, dias depois, postando foto com outra pessoa. Sofri quando cê me mandou uma mensagem de madrugada dizendo que tava com saudade e que queria me ver, e eu passei por cima do meu orgulho e dos conselhos das minhas amigas e respondi "vem", e você veio mesmo, mas depois partiu de novo e me partiu inteira. Sofri quando seu status mudou e você começou a postar as nossas músicas da nossa banda preferida pra ela. Sofri quando os seus amigos começaram a falar que ela combinava muito bem com você e que agora cê tava feliz de verdade. Comigo você não foi? Nunca?

Sofri. Sofri quando você me ligou e disse que só queria ouvir minha voz e me encheu de esperanças sobre nós, pra depois sumir de novo. Sofri quando tirei seus restos de casa e vi que você tinha deixado todas as cartas que eu te escrevi. Sofri quando cê começou a espalhar por ai que a gente não tinha dado certo porque eu tenho o gênio forte e é foda lidar comigo. A culpa era minha então? Sofri quando descobri suas traições, e foram muitas. Sofri quando eu bebi demais e fui até a sua casa chorando pra pedir que você ficasse um pouco comigo, porque eu sentia a sua falta, e cê fechou a porta na minha cara. Sofri quando senti seu cheiro em outro cara e não encontrei seu gosto na boca dele. Sofri quando me dei conta de que nada em você era real. Foi tudo uma farsa. Um jogo. Uma encenação.


Sofri. Sofri porque o eu te amo que você falava pra ela era o mesmo que falava pra mim e os dois sempre foram vazios. Ocos. Sofri porque eu queria te odiar e sentir raiva e te mandar a merda, mas eu te amava. Muito. Sofri porque você era igual com todas, e eu fui só mais uma na sua lista. Sem tratamento especial, sem diferenciação. Sofri porque eu tentava me reaproximar e você me expulsava, mas cada vez que eu tava indo embora cê reaparecia querendo falar da nossa história. Que história, amor? Se tudo sempre foi uma mentira? Sofri porque você não me queria, nem um pouco, mas me segurava como se eu fosse um dos seus brinquedos e não devesse sair da sua estante. E eu ficava lá esperando o momento em que cê ia sentir vontade de brincar de novo.

Sofri. Sofri porque nunca é fácil olhar pra um amor e perceber que tudo nele é podre. Doeu tanto que eu achei que nunca mais ia passar. Eu te procurava nos lugares, stalkeava todas as suas redes sociais, observava seus passos, e você fingia que não me queria por perto. Se fazia de durão. De indiferente. Falava pra todo mundo que eu era a louca apaixonada, mas não contava que era você quem me prendia. Cê se divertia tendo todas aos seus pés enquanto posava ao lado de uma. E eu cheguei a ter raiva dela, sabe? Até a ficha cair e perceber que ela era tão boba quanto eu. Coitada. O problema sempre foi você. E eu sofri, achei que que ia sofrer pra sempre, que nada faria minhas feridas cicatrizarem, mas o tempo... ah, o tempo cura tudo!

Eu vivi meu luto. Chorei quando senti vontade de chorar. Me humilhei quando não pude ser indiferente. Fui fraca quando não tive forças. E vivi dia após dia. Fui tempestade na maioria deles, mas depois de uns meses voltou a fazer sol. Você foi deixando de me abalar. Comecei a ignorar suas mensagens, recusar suas ligações, desviar das suas tentativas de me achar. Parei de ir atrás do que estava acontecendo na sua vida. Falaram que você terminou. Caguei. Depois te vi com outra menina e continuei inteira. Consegui te bloquear em todos os lugares possíveis. Desfiz amizade com seus amigos e parei de me interessar por você, pela suas coisas. Quando me dei conta, e demorou menos do que eu esperava, eu já tava rindo e me divertindo de novo.

Foi difícil. Tive que matar um dragão por dia. Lutei contra mim mesma.. Precisei engolir na marra verdades bem amargas. Mas é aquela coisa... o que não mata fortalece. Hoje eu sou rocha. Não te desejo mal, nem espero que você pague pelo que me fez, acho que o mundo dá voltas sim e que tudo o que a gente planta, mais tarde temos que colher, mas se não for teu caso, ótimo, problema seu, sorte sua. Não quero que você sofra, de verdade, e se quer saber eu te quero até feliz, quem sabe assim você não muda!? Não se transforma em alguém melhor? Menos frio e menos feio. Te quero bem, só não te quero de volta. Nunca mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.