nome blog

6 de dezembro de 2016

Um texto da sua eterna garotinha

Sabe, eu ainda me lembro das vezes em que, quando pequena, me machucava e vocês, com o olhar sereno de quem entende que machucados são necessários, me beijavam dizendo em tom tranquilo que o beijo ajudava a sarar. Era incrível como, logo, o choro cessava. Com o passar dos anos, cresci e descobri que mais uma vez vocês estavam certos: o amor sempre será o melhor remédio.


Talvez seja por isso que, hoje, eu acordei sorrindo, era você, papai, cantando a nossa música, aquela que você sempre troca a letra e até o nome da personagem mudou pelo meu. Sim, aquela que você cantava desde o ventre da mamãe e disse que seria para sempre nossa. Pois é, ela continua sendo.

Ah, papai, você fez de mim a sua princesa, fez da nossa casa um castelo e me concedeu o privilégio de viver em um reino onde o amor é a maior riqueza. Você me ensinou o valor de bens que cédulas jamais poderão comprar. E me fez rir quando eu perdi os primeiros dentinhos, eu passei a ter uma ‘janelinha’ e foi você quem me contou que eu não precisava ter vergonha dela. Foi você quem me abraçou forte quando eu tive medo, e me mostrou que eu tenho o tamanho exato para caber nos braços de quem me ama. Foi você quem viu a sua pequenina crescer e se tonar uma mulher e ainda assim nunca deixar de ser a sua garotinha.

Hoje, eu acordei sorrindo, era você mamãe abrindo as cortinas e permitindo que o sol adentrasse pelo quarto. Sabe, nem precisava, você sempre iluminou tão bem a minha vida. Eu lembro dos seus conselhos, das vezes que eu não os segui, e ainda assim você continuava lá, de braços abertos para me amparar quando eu precisava. Sim, eu confesso: eu precisava. Na verdade, eu preciso.

Ah, mamãe, você também se fez amiga, conselheira e protetora. E me ensinou através do seu exemplo o quão bom é ser o aconchego de um outro alguém. E quantas vezes você foi o nosso? Foram tantas, que já nem sei dizer ao certo. Eu sei que você ainda lembra do jogo de xadrez. Pois é, a rainha sempre defende o rei, mas você faz mais, defende a corte inteira. Você foi e sempre será o esteio da nossa família e o alicerce do nosso lar. Ah, mamãe, quisera eu ser um dia a mulher que hoje você é.

Hoje, eu acordei sorrindo, eram vocês, papais, para me lembrar que ainda que as noites sejam longas e as manhãs nubladas, os dias voem e passem os anos, ainda assim vocês sempre estarão ali para me apoiar, cuidar e amar. E como sou grata por isso! Obrigada por terem me ensinado o valor do amor aperfeiçoado ao longo do tempo, revestido de lealdade e perdão, cuja fonte é o coração daquEle que nos fez. Eu sei, vocês já sabem, ainda assim quero frisar mais uma vez: eu amo e eternamente os amarei.

0 comente aqui:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.