Nova Perspectiva

1 de dezembro de 2016

Meu noivo tem uma teoria

Clique aqui para ouvir uma musiquinha gostosinha enquanto lê o texto.

Meu noivo tem uma teoria meio esquisita e ele sempre a compartilha comigo quando vamos viajar. A teoria é de que quando estamos indo ou voltando de viagem e pegamos muito trânsito, ele acredita que se pararmos para abastecer vamos ficar ainda mais para trás e mais carros nos passarão, tornando assim a viagem ainda mais longa. Ok, mas e o que isso muda na vida das pessoas? Bom, ele sempre me fala dessa teoria, e ele não pode me jogar uma teoria assim e esperar que eu não fique bolada pensando nela, eu fico, não adianta.

Trazendo isso para a vida até que faz sentido, afinal, quando paramos sentimos que estamos ficando para trás. Já reparou? Se você sai do seu serviço, se resolve trancar a faculdade por uns meses, ou decide não começar ela agora. Se decide não casar antes dos vinte e cinco como a maioria, não pensar em filhos antes do trinta, quando você simplesmente decide parar, sentar e descansar o mundo não aceita isso, e você em secreto também não, porque o mundo está em movimento. Então você supostamente precisa estar também, e movimentos rápidos, não pode perder tempo, vamos, fica nesse emprego ruim mesmo, casa com esse fulano que não te faz bem mesmo, fica nesse curso que você odeia mesmo, continua fazendo academia para mostrar que não é sedentária, não pode parar, tem que estar em movimento.

Será? Acho que não. Mas é meio que involuntário sentir isso, sentir que estar parado é perder tempo e pior, ser passado pra trás. Ninguém quer ser passado para trás. Quer coisa pior que encontrar aquela colega do ensino médio, descobrir que ela já fez até pós, está casada, com um casal de filhos, três cachorros, dois papagaios, casa na praia, uma coleção de diplomas e você só tem um peixe beta? Não tem, é frustrante, é natural sentir-se inútil quando isso acontece. Mas vamos ver o cenário no geral, parar nem sempre é ruim, encare esse parar como um descanso, assim como um carro precisa parar no posto para abastecer e fazer umas revisõezinhas ali, você precisa parar também. Ainda mais se precisar fazer revisões, se precisar descobrir para qual direção quer seguir, olhar o mapa mais uma vez, checar se as emoções estão todas quase ok, se deve continuar naquele emprego, naquele curso, naquele relacionamento.

Parar é bom quando é para descansar e buscar uma direção melhor. Não tem uma frase que fala que quando você vai para trás é pra pegar impulso? Então, vamos pensar que parar é para descansar para o que está por vir. Acredite, você vai se formar, vai conseguir subir de cargo, quem sabe montar seu próprio negocio, viajar pelo mundo, ter sua casa própria, um casamento feliz, filhos amados, cachorros, papagaios, diplomas, histórias. Você vai conseguir assim como a colega do colégio, você vai conseguir essas coisas e quem sabe outras coisas que não se encaixam no que todo mundo quer, não precisa se apavorar, não precisa se diminuir em frente ao espelho, há tempo para todas as coisas debaixo do céu e o seu tempo não precisa ser igual das outras pessoas. Quem disse que precisa?

Podemos entender que parar é preciso, que descansar é necessário, que aceitar o mais ou menos apenas para continuar na corrida para chegar sabe se lá onde é maior bobagem que você vai cometer na vida. Busque o que faz seu coração bater mais forte, o que te tira do chão, pode ser um emprego dos sonhos, uma viagem muito louca, estar ao lado de alguém que ama, descobrir a cura para algo, escrever um livro, adotar treze cães de rua. Seja o que for, faça o que faz seu coração bater mais forte, e se você ainda não sabe o que é, pare e pense ai ó, não falei que parar é preciso. Parar é preciso, até meu noivo sabe disso, na ultima viagem ele não quis, e quase ficamos sem combustível. Tinha um posto no caminho, ele parou, ficamos bem. Acredite, tudo vai ficar bem. Respire, não se afobe, não se cobre, não se compare com ninguém. Acredite, você vai ficar bem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.