Nova Perspectiva

21 de dezembro de 2016

Ele me serve melhor que qualquer outro

​— Se te faz mal, por que você não vai embora?
Porque eu não consigo ir, por mais que eu tente, por mais que eu queira.
— Mas continuar assim está te destruindo, cê tem que fazer alguma coisa, qualquer coisa, só não dá pra fingir que está tudo bem.
— Eu sei... E isso é o mais horrível de tudo, sabe? Estar com ele me mata, mas a ideia de ficar sem me sufoca ainda mais. 
— Ruim com ele, pior sem ele... Cê tem ideia do quão patético é isso?
— Tenho, é claro que eu tenho! Mas a nossa relação é como uma droga que não só vicia, como não tem cura. Juntos nós nos destruímos, separados nos matamos. 
— Eu nem sei o que te falar... Vocês não são normais.
— Não mesmo...
— Tá, e se vocês tentassem de outro jeito? Sei lá, sabe? Se fizessem alguma coisa pra mudar a situação, pra darem certo?
— Já tentamos de todas as formas, já fizemos de tudo, insistimos até do avesso. Não da mais. Nossa história acabou, nós dois sabemos disso. E é terrível!
— Por que é tão terrível assim? Relacionamentos acabam todos os dias.
— E todo término é triste, difícil, só que quando ainda tem sentimento é muito pior. E o nosso ainda tem. Eu o amo, ele me ama, mas a gente não nasceu pra ficar junto, parece que não é pra ser, que os astros não querem, que o destino não colabora. Somos feito linhas paralelas, ainda que estejamos sempre juntos, a gente não pode se tocar.
— E então...? Porque, sabe, cê precisa decidir o que vai fazer.
— Preciso, mas no fundo eu não sei. Eu preciso ir, mas quero ficar. É doentio! 
— Meio esquizofrênico...
— Sim! Essa é a palavra: nosso amor é esquizofrênico.
— E vocês são dois malucos!
— Talvez... Sabe quando você tem um sapato que, por mais que aperte o seu pé e te doa de todos os jeitos, cê não consegue deixar de usar? Porque ele é o seu preferido e você o ama de verdade.
— Sei...
— É isso, ele é o meu sapato favorito, eu to cheia de calo, mas nenhum outro vai me calçar tão bem quanto ele me calça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.