Nova Perspectiva

22 de novembro de 2016

Mas agora é tarde pra voltar atrás, moreno


Você diz pra si mesmo que essa é a última vez, que vai voltar pra casa antes mesmo de encontrar o pessoal para o próximo rolezinho, mas uma coisa dentro de você diz que não vai ser bem assim, porque parece que perdeu a graça manter um copo de cerveja em uma mão e na outra segurar a mão de uma garota qualquer, que acabou de conhecer e mal se lembra do nome dela, só de como é sentir o prazer ao tocar aquelas curvas que todo garoto daria tudo para ter. 

Mas você não se contenta com isso, né? Em cada gole que você bebe do seu uísque, não é a bebida que te queima por dentro, e sim a falta dela. Isso sim consome mais do que qualquer tipo de álcool que você ingere de segunda a segunda, como se isso fosse matar a ausência dela e o buraco que ela deixou no seu peito, mas é impossível se distrair da sensação de que não existe mais nada pra você. 

Nos primeiros dias você achou que fosse se livrar desse sentimento, mas foi bem mais difícil do que imaginou. Não é algo que você mata quando bem entende, é como se o amor tivesse vida própria, e ele só faz as malas quando encontra o momento certo para ir embora, mas como consequência, ele deixa um baita estrago. E hoje você tá estragado por dentro, tudo porque você teve medo de continuar se entregando a alguém, só que ela nunca teve a intenção de partir o seu coração em pedaços,  mas mesmo assim teve medo do que poderia acontecer. 

Você deu o fora antes que as coisas ficassem sérias demais, preferiu o seu resquício de falsa liberdade do que a esperança de sempre ter alguém ao seu lado, você insistiu em dizer que era melhor continuar com sua vida noturna repleta de baladas, festas, bebidas e muita mulherada solteira, do que dividir uma tarde de domingo com alguém que só queria amar e alguém para retribuir esse sentimento de bem estar. Você escolheu preservar o seu status de desapegado só pra manter a pose de pegador no seu grupinho de amigos, e olha a merda que isso deu. 

Agora você fica aí, fingindo que tudo está certo, sabendo que existe um buraco no peito que não se preenche, e por um segundo, a música e a dança parece que cura esse mesmo vazio, só que é temporário demais para significar alguma coisa, porque seus pensamentos só dizem o quanto você está sozinho, o quanto não tem ninguém de verdade para estar ao seu lado. E só de lembrar o nome dela parece que o seu mundo piora, é aí que você percebe que não adianta se recordar do que não vai voltar nunca, porque no fundo você sabe que ela deve estar do outro lado da cidade assistindo sua série favorita nos braços de outro. 

E a unica diferença entre você e o atual dela é que ele, diferente de você, soube abrir mão de certos luxos para receber outros privilégios que engradecem a alma ao invés de aumentarem a sua imagem, ele soube que jamais encontraria alguém igual a ela, tão disposta a amar, e aprendeu a valorizar a oportunidade que a vida deu. 

Mas agora é tarde pra voltar atrás, e você sabe muito bem disso. Não adianta telefonar no meio da noite, porque ela tem a alma solta e desapegada, alma de quem diz que nunca mais vai escolher as pessoas erradas para estarem do seu lado. Não adianta enviar presentes no mês de aniversário dela, ou deixar aquele recado nas redes sociais, porque ela vai deletar cada um deles como se nunca tivesse te conhecido e vai te tratar como um forasteiro. Enquanto você finge que não sente a falta dela no meio dos amigos, ela tem a certeza de que você é só mais uma página virada da vida dela. Agora é tarde mais, cara.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.