Nova Perspectiva

29 de novembro de 2016

Fica abraçado comigo

​Fica abraçado comigo. É sério moreno. Não levanta agora não, fica aqui, desse jeito, deixa eu me aninhar no seu peito enquanto você me faz um cafuné que acalma toda a bagunça da minha alma e a gente esquece do tempo passando enquanto o relógio roda e do caos que faz lá fora e da agenda lotada apressando os nossos movimentos. Deixa eu sentir o seu cheiro até ele impregnar em cada poro do meu corpo e eu passar a semana inteira com a sensação de que você ficou grudado em mim o dia todo.

Fica abraçado comigo. Finca suas mãos nas minhas até eu me sentir segura e protegida e apagar todas as marcas ruins que já fizeram dentro de mim. Já doeu muito moreno, eu já cai uma porção de vezes e achei que nunca mais ia querer ficar, mas você me faz querer. Afirma naquele seu tom grosso de quem tá falando muito sério que eu posso confiar em você, porque cê não vai embora, e fica comigo não só nos dias em que não houver nada melhor pra fazer. Desmarca aquela reunião e o almoço com os seus amigos e todos os outros compromissos, eu vou desligar o celular e esquecer do mundo pra poder lembrar só de você. É só por hoje, eu juro!

Fica abraçado comigo. Sussurra de repente que você gosta de mim, muito, muito, muito, enquanto eu deixo um sorriso bobo escapar e confesso que também gosto muito, muito, muito de você. Ouvi dizer que vai chover essa noite, tem um vinho no armário e aquela sua cerveja favorita e eu posso preparar alguma massa pra gente comer. Comprei uns discos legais semana passada, eu sei que você vai gostar, mas a gente também pode assistir alguma série ou aqueles programas de velho que passam de madrugada na tv. A gente escuta a tempestade e bebe um pouco até que eu fique embriagada o suficiente pra te confessar que no meio de todo o furacão que tava passando na minha vida, você foi a minha paz.

Fica abraçado comigo. Deixa eu ficar quietinha com o corpo colado no seu enquanto você me conta sobre o último filme que assistiu, sobre o restaurante vegetariano que cê passou em frente e pensou em me levar, sobre aquela briga que você teve com o seu melhor amigo e até agora não resolveu. Desabafa comigo, fala dos teus medos, dos seus dramas e do seu emaranhado de histórias confusas. Eu te conto as minhas também. E a gente ri delas porque quando estamos juntos tudo fica simples demais. Não precisa me pedir em casamento essa noite, mas discute o nome das crianças comigo enquanto os nossos pés se enlaçam embaixo do cobertor.

Fica abraçado comigo. Fica? Até o mundo lá fora perder a graça e a cor, até ficar silêncio e eu só conseguir ouvir a sua voz. Fica? Eu faço brigadeiro e carinho e massagem nas mãos. Você já recebeu massagem nas mãos moreno? É a oitava maravilha do mundo. Quer dizer, nona, porque a oitava é você. Fica e depois me beija com fome, deixa teu gosto saltando da minha boca e a minha língua sedenta pela tua. Fica enquanto a gente dança pelo quarto e pula na cama e faz guerra de travesseiro e os vizinhos reclamam e a gente ignora. Fica até eu deixar escapar que te amo e você olhar revelando com esses olhos azuis que me ama também.

Fica abraçado comigo. Espera o dia amanhecer e me traz o café na cama com aqueles pãezinhos de forno que só você sabe fazer, usa aquelas xícaras novas e uma bandeja bonita, e não esquece que o meu café é sem açúcar. Fica abraçado porque nos teus braços eu achei abrigo e sempre fui meio órfã. Fica. É só hoje. E talvez amanhã e depois e depois. Mas eu sei que você não vai mais querer ir. Quer ver? Então fica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.