Nova Perspectiva

27 de outubro de 2016

Não se perca


Eles vêem, observam, acompanham cada passo. Um deslize e tudo se perde, é tão frágil, tão inquietante. O reflexo no espelho já não te acompanha, como se vocês fossem parte do mesmo recipiente e não mais da mesma essência, e isso te arruína de tal maneira que sua única reação é pedir para que tudo se ajeite, mas sua mente quer te impulsionar a ir e acabar com isso, dar um basta e ser.

Ser você.

Mas não.

O reflexo te olha profundamente. Naqueles olhos projetam-se papéis, câmeras, focos e luzes, e você se deixa hipnotizar. Ela te puxa para dentro, você sente, cada parte do seu corpo experimenta a sensação de viver tudo aquilo que ela te mostra, que você contempla no seu olhar perdido preso naquele espelho. Seu coração bate tão forte que parece querer pular do peito. Seus olhos brilham. É tão bonito. Vocês dão as mãos, mas você recua, não pode. Você segue regras, e a regra é essa: você não pode. Eles disseram.

Você a solta e seus olhares conversam, você se desculpa, e ela sente muito por você... por vocês. Então ela pressiona lábios e você se assusta quando ela fala: permita-se.

Ela vira e sai. Você se observa afastando-se de si mesma, como se fugisse. E então tudo se vai, e o que sobra são cacos, como os vestígios do seu eu que foi deixado para trás.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.