Nova Perspectiva

6 de outubro de 2016

Ele e Ela


Ela dizia que não queria encontrar amor, já havia sido machucada demais. Ele só queria um beijo na festa de fim de semana. Ela não estava afim de gastar tanta grana pra uma noite, queria ficar vendo série no netflix, mas se permitiu pelas amigas insistentes. Ele precisava desse “role” com os amigos para desestressar a semana que parecia interminável. Ela foi se arrumar na casa da amiga, fizeram maquiagem, arrumaram o cabelo, fofocaram, viram quem iria no evento e pegaram o uber com outra amiga que surgiu de ultima hora fazer companhia ao grupo. Ele chegou atrasado, com uma roupa que achou sem muita demora, mandou mensagem para os amigos que racharam um uber porque nenhum ficaria sóbrio até o fim da festa para dirigir pra casa. Ela entrou cedo, arranjou um espaço no salão, pegou um copo de uma bebida que nunca tinha ouvido falar e foi dançar pra se divertir. Ele chegou na metade da festa já alterado, se jogou na multidão com os “parças” e a viu. Ela sem reparar a sua volta queria sair do aglomerado de gente que se juntou ao redor e foi em busca de ar, até que o viu. Conexão engraçada, passo acelerado, olhares cruzados, jogada de cabelo pra chamar atenção e um sorriso de lado. Um passo atrás do outro, uma cantada boba pra iniciar conversa, um papo sem grandes pretensões até o esperado beijo. O mundo desapareceu.

Ficaram juntos a balada toda. “Casaram” diziam os amigos. Trocaram números e ele prometeu chamar no whatsapp no dia seguinte. Os dois foram embora e acordaram pra lá do meio dia. Ela reviveu o que passou durante a festa e pediu pras amigas contarem os detalhes de que não se recordava. Ele estava com dor de cabeça e enrolou mais alguns minutos na cama até ter coragem de tomar um banho. Ela duvidou que ele a chamaria mesmo mas foi procura-lo nas redes sociais só pra conferir. Ele, mais acordado, lembrou dela e mandou a mensagem. “Oi, lembra de mim?”. Conversas e mais conversas sobre a vida, gostos, cursos, idade, planos pro futuro, hobbies...conversas que renderam selfies trocadas, segue de volta no instagram e o acompanhamento no snapchat. Resolveram sair algumas vezes e estavam indo bem. Ela gostava da forma como ele a deixava, mais leve, mais segura de si. Ele gostava de como ela parecia ser segura de si sozinha. Era um compromisso onde não haviam restrições pois usavam a desculpa “estamos nos conhecendo”, até ela se apegar.

Ele começou a não dar tanta atenção porque não estava no momento certo para namorar, garoto com pouca idade tem que curtir a vida. Ela gostava de puxar assunto mas percebeu que só vinha interesse dela. Decidiram parar de se ver por ser o melhor para os dois. Ela mudou suas visões, amadureceu pra vida, seguiu um rumo e passou a equilibrar os filmes de sábado a noite com as festas as sextas feiras. Ela cortou o cabelo e vestia o que queria. Se tornou independente e percebeu, no decorrer da vida, de que só precisava de uma pessoa capaz de a fazer feliz, ela mesma. Ele, continuou na rotina de festas todos os fins de semana e as garotas que queriam algo sério e ele fugia. Eles se esbarravam as vezes e ele a chamava para sair. Ela no entanto, queria mais que apenas a curtição. Ele as vezes se pegava pensando em como deixou essa menina escapar. Ela, nem nele pensava mais.

Um comentário:

  1. descreveu minha historia com meu namorado hahah, só que no final obviamente ficamos juntos. achei linda!!

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.