Nova Perspectiva

24 de setembro de 2016

Você marcou


Tanto tempo se passou. E eu ainda tenho a mesma vontade de te ligar as três horas da manhã, naquelas horas em que as lágrimas entaladas começam a me sufocar. E eu preciso colocá-las pra fora de alguma forma. Pensa que não tenho? Eu tenho sim. Tenho uma vontade absurda de te contar tudo que sinto. De te implorar pra voltar pra mim, dizer que faço o que quiser para que isso aconteça. Eu tenho vontade de implorar pelos seus sentimentos, pelo seu amor. Vontade de implorar para que você me diga as mesmas coisas que dizia antes. Acredite, eu ainda tenho a mesma vontade de você. Chega a ser desesperador desejar tanto uma pessoa que hoje pode ter seguido em frente, sem nem olhar pra trás. É uma sensação de desespero essa vontade de você que talvez eu nunca mais vá matar. Esse desejo do seu abraço que talvez nunca mais eu tenha. Essa vontade louca do seu beijo que eu nunca me esqueci do sabor. É como se algo do passado não quisesse ir embora. Como se o apego tivesse se adaptado tanto, que já se tornou de casa. E eu nem sei te explicar tudo.

Sei que tanta coisa já mudou na nossa vida. Mas se fosse pra te ter de volta, eu preferia viver tudo de novo. Todos aqueles beijos que me distraíram, não me fizeram esquecer de você. Eles não eram como o seu. Sei que deve estar pensando que eu superei, que já tenho outro alguém ao meu lado. E eu queria do fundo do meu coração que isso fosse verdade. Eu queria ter superado, esquecido, me apaixonado outra vez. Mas não dá. Quando meu coração pensa em dar uma batidinha mais acelerada, ele já lembra de você e desanima. Chora, se engasga, morre aos poucos. Ele perde a força nas batidas, ele dói. Dói muito. Como se eu precisasse de algum remédio pra dormir.

A dor impede o meu sono de vir. Essa dor me maltrata, sabe? Como se ela fosse a única coisa que eu tivesse de lembrança de você. Ela foi a única coisa que a sua partida me deixou. Já tentei com tantos outros meninos, já provei tantas outras bocas. E a sua continua sendo a minha preferida. Sempre acho todos uns completos idiotas. Eles não me completam e você me transbordava de ponta a ponta. Eu confesso que todos os dias abraço o meu travesseiro durante a noite imaginando que é você. Como eu queria que fosse você. Confesso que te procuro em cada olhar que me cerca, mas sei quando não é você em nenhum deles. É que só o seu olhar me transmitia a paz que a minha alma precisa. Eu ainda tenho a mesma vontade de te dedicar horas iguais quando as vejo - Você não sabe, mas elas marcaram nosso tempo- E de acariciar o seu rosto quando olho para as suas fotos. Como eu costumava fazer, até que você dormisse.

Eu ainda tenho a mesma vontade de dizer que estou me sentindo feia, só pra ouvir você me dizendo o quão linda me achava, enquanto me olhava profundamente. Eu ainda tenho a mesma vontade de cantar aquela nossa música pra você. De te beijar por inteiro quando estiver irritado com o trabalho. Eu ainda tenho a mesma vontade dos nossos sonhos e de você comigo para encontrarmos tudo que queremos. Eu ainda tenho vontade de chorar durante a madrugada e te ligar pra me acalmar. Como eu já fiz várias vezes. Só que agora você virou o motivo das minhas lágrimas mais sufocantes. Eu tenho vontade de correr até você, como uma criança corre para os braços da mãe antes de entrar no primeiro dia de aula. Eu tenho vontade de te mandar uma carta contando todos os motivos que me fazem te amar tanto. Será que você responderia?

Eu ainda desejo o seu meio sorriso que nunca me pareceu firme. Mas era o único que me fazia bem de verdade. O único que me acalmava e me fazia sentir leve. É como se eu vivesse a procura de alguém exatamente igual a você e me frustasse a cada tentativa. Eu sinto vontade de chorar de arrependimento após os beijos que não são seus. Eu tenho a mesma saudade que eu tinha minutos após te ver. É uma saudade desesperada, descontrolada, apressada. E eu tenho certeza que você nunca a sentiu. Eu ainda tenho medo de te perder, ainda não caiu a ficha de que eu não tenho e nem nunca tive você. Algo em mim me diz que precisa de você aqui agora. Mas a outra parte de mim insiste em dizer que eu não quero mais. Ainda que sinta saudade. Mas eu sei que se você estalar os dedos, eu vou. Vou e me entrego. Vou e confesso. Vou e me perco, sabendo que vou me encontrar. Vou e me realizo. Vou querendo ficar pra sempre.

Eu ainda tenho a mesma sensação de que se não for você, eu não vou ser feliz. A gente sempre tem aquela paixão que é inesquecível na nossa vida. E a minha é você. É você que faz meu coração acelerar descontroladamente, derrapar em terra firme, suar como uma corrida em meio ao sol escaldante em pleno meio dia.

Por mais que eu saiba que entre todos os outros, eu escolheria você. Ainda que não fizesse parte das minhas alternativas. Por mais que eu saiba que eu ainda preciso da gente. Que só o seu amor me fortalecia. E que a sua partida me acabou de um jeito tão louco, que só você poderia ser a cura. Por mais que eu saiba que se você não voltar, eu vou dar um jeito de ir atrás de novo. Porque ficar sem você é como faltar uma parte de mim. E é por isso que você me vê sorrindo tanto. Eu sorrio pra esconder. Pra fingir que esqueci e tentar esquecer mesmo por alguns minutos. Pra fingir que estou bem, pra fingir que estou feliz. Pra fingir que segui em frente e que a sua ausência, em nada me fez falta. Pra fingir que tudo vai bem e que meu coração está leve e sereno. Eu sorrio pra fingir que não fui fraca e recaí diversas vezes. Pra fingir que eu me conformei com nosso fim. Que eu superei e estou apaixonada de novo.

E você sempre acredita.

2 comentários:

  1. Inacreditável como seus textos são tão cheios de sentimentos e que me cativa de uma forma impressionante! Parabéns e continue assim eu amo lê -los quando não estou em um dos meus melhores dias.

    ResponderExcluir
  2. Inacreditável como seus textos são tão cheios de sentimentos e que me cativa de uma forma impressionante! Parabéns e continue assim eu amo lê -los quando não estou em um dos meus melhores dias.

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.