Nova Perspectiva

19 de setembro de 2016

Por que você entrou se não ia ficar?


Eu tava feliz sozinha, sabe cara? Nunca fiz muito o tipo de gente que precisa de alguém ao lado só pra se sentir mais completa. Eu era completa, aprendi a me bastar cedo, e tava bem assim com a minha própria companhia. Eu não sonhava em viver esses romances de cinema ou em esbarrar num príncipe encantado no meio da balada e cair de amor logo no primeiro olhar, cê sabe. Eu nem acreditava nessas coisas. Pra mim, todo esse papo de alma gêmea e metade da laranja era história pra boi dormir, conto da carochinha. Mas ai você chegou.

Eu não abri a minha porta e nem te convidei pra entrar em mim, não te ofereci um copo de água ou uma xícara de café ou o meu peito escancarado. Eu não perguntei o seu nome, nem onde você morava e nem pedi seu telefone, mas você me ligou no dia seguinte e no outro e no outro e de repente eu já gostava tanto da sua voz que te ouvia mesmo com o celular desligado. Não parecia certo, mas eu quis que fosse. E eu achei que você também quisesse, porque era o que você me dizia. Cê veio, sem cerimônia, e me fez acreditar que ia dar certo. Cê me pediu um pedacinho do meu peito e antes que eu pudesse perceber onde é que tava me enfiando você já tinha roubado todo o meu coração. E eu nem queria gostar de você.

Eu passei a acreditar que podia ser, quem sabe, nós dois, igualzinho naqueles filmes que eu detestava. Passei a torcer pra que fosse. Por mais trash que parecesse. Passei a te ver em todos os lugares e a te desejar em todos os momentos. Passei a ser sua, mesmo tendo jurado uma vida inteira que seria pra sempre só minha. Porra, cê não enxerga o quanto isso foi egoísta? Eu nunca quis viver essa história, foi você quem me fez querer que desse certo, foi você quem me fez abrir a alma e tirar as armaduras e apostar na gente. Foi você quem entrou em mim, quem invadiu cada artéria do meu corpo e deixou meu corpo viciado, intoxicado, com a sua presença.

Antes deu descobrir que devia fugir de nós, já tava imaginando o nosso casamento e os filhos e de que cor seria a parede da sala de casa, eu não tive tempo de ver o que tava acontecendo e cair fora. Cê foi mais rápido. Numa madrugada de quinta-feira você foi embora sem fazer barulho e deixou pra trás todas as promessas que havia me feito como se elas nunca tivessem tido importância alguma. Como se eu nunca tivesse tido importância. Simples assim. Não houve nenhuma explicação, ou uma conversa, não teve sequer um bilhetinho avisando que "pô, não dá mais, to indo". Cê nem me deu um último beijo. 

Você foi baixo, jogou sujo, fez com que eu confiasse e me jogasse em nós pra depois me deixar cair sozinha num mar de lama suja formado pelas mentiras que você criou preu te deixar entrar. Você consegue imaginar como doeu ter que me acostumar com a sua ausência? Foi foda cara, e ainda tá sendo. Mas isso vai passar, eu sei, mas e quando passar o que eu vou fazer com a cicatriz que vai ficar? O que eu vou fazer com todas as flores que eu plantei pra você e vão nascer murchas porque eu não tenho mais vontade de regar? O que eu vou fazer com a minha parte boa que tá mais podre que você? Hein?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.