Nova Perspectiva

3 de setembro de 2016

Eu nunca vou te chamar de amor


Por mais que eu queira, eu nunca vou assistir ao novo filme do Garry Marshall aninhada em seu colo enquanto você me faz um cafuné e tenta desviar a minha atenção com beijos roubados. Nunca vou poder reclamar da sua toalha molhada em cima da cama só pra te ver dizer que eu fico linda quando estou brava e nem vou te ver invadir o chuveiro de roupa e tudo só pra me roubar um beijo enquanto eu tomo uma ducha antes de ir pro trabalho. Também nunca vamos tomar banho juntos num sábado nublado e sem graça. Eu nunca vou decorar cada marquinha do seu corpo e falar que as suas sardas nas costas te deixam ainda mais irresistível. Eu sequer vou saber se você tem sardas nas costas.

Eu nunca vou poder te contar que uma vez sonhei com os nossos filhos. Nós nunca teremos filhos juntos. Não vamos montar a família dos sonhos com dois cachorros e um gato e nem comprar uma casa na praia pra passar o réveillon. Eu nunca vou poder ficar horas e horas te observando enquanto você embarca num sonho tranquilo. Eu nunca vou acordar com você me olhando e sorrindo e falando que eu pareço um anjo quando durmo. Eu nunca vou dormir com você de conchinha sentindo sua respirações ofegante na minha nuca. Nunca vou te acordar com café na cama e nem descobrir qual a sua geleia preferida. Você gosta de geleias? Eu nunca vou saber.

Nós nunca vamos nos beijar na chuva igual naquela cena do Noah com a Allie. Você nunca vai me tomar em seus braços e girar comigo como aqueles casais apaixonados. Nunca seremos um casal. Mesmo que isso me mate um pouco e me faça querer chorar enquanto te vejo sendo muito mais com outras mulheres. Nós nunca seremos nós. Não vamos passar as madrugadas conversando sobre o novo disco da sua banda preferida ou das confusões da minha família. Eu nunca vou desabafar com você e nem ouvir os seus problemas e poder te dizer que vai ficar tudo bem. Ninguém nunca vai dizer que nascemos um pro outro e que sintonia assim é rara e não vamos poder concordar dizendo que o nosso amor é coisa de outras vidas.

Eu nunca vou te chamar pra um jantar romântico aqui em casa e receber as suas rosas vermelhas com um abraço apertado. Nunca vou sentir seu cheiro grudar na minha roupa e você nunca vai elogiar o meu perfume. E eu sei que você amaria ele. Eu nunca vou fazer meu brigadeiro pra você mesmo ele sendo o melhor do mundo e a gente nunca vai rir junto da minha incapacidade de ser modéstia na cozinha. Eu nunca vou acordar com uma mensagem de bom dia do seu número porque você não deve nem ter mais meu celular. Nunca vou poder te chamar de amor mesmo que seja só isso que eu transbordo. E eu nunca mais vou ter a chance de gritar que a gente podia ter tudo isso se você não tivesse estragado tudo.

2 comentários:

  1. Nunca vou poder te chamar de amor mesmo que seja só isso que eu transbordo. E eu nunca mais vou ter a chance de gritar que a gente podia ter tudo isso se você não tivesse estragado tudo.

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.