Nova Perspectiva

24 de setembro de 2016

A gente não tinha nada a ver


Você chegou cheio de pose achando que ia ser fácil roubar o meu coração, coitado, mas sabe, eu não te culpo não, cê sempre esteve acostumado a ter o mundo nos seus pés, afinal quem não se apaixonaria por um cara tão incrível assim? Capaz de virar o mundo do avesso só pra te agradar? O que você não tava esperando é que eu não faço o tipo previsível que fica feliz com qualquer surpresinha. Não é tão fácil me convencer de que vale a pena embarcar numa história.

Eu sei que você deu o seu máximo e que tentou de tudo pra me envolver, só que não foi o bastante pra mim. Cê achou que com um bocado de palavras bonitas e algumas promessas de um futuro juntos iria me derreter inteira, mas as coisas não saíram como você tinha planejado. Isso te frustrou, não é!? Eu vi que você não gostou muito quando eu disse que eu não ia mais ficar ao seu lado porque precisava conhecer novos caminhos sozinha. Naquele momento seu ego se espatifou em mil pedaços e foram inúteis todas as suas tentativas de colá-lo.

Não foi por mal cara, mas é que eu nunca estive atrás de um homem perfeitinho pra chamar de amor. Não quero um cara que seja bonitinho, arrumadinho, bacaninha, só pra desfilar de mãos dadas na rua e tirar fotos pras redes sociais. Não busco por alguém que só consiga falar sobre os suplementos que tem tomado e como tal balada é top. Nada contra, mas o que eu quero tá bem longe disso. O que eu procuro você não podia oferecer e tudo bem, eu entendo, tem gente que é rasa demais e só quem é pequeno consegue mergulhar.

Eu tava esperando alguém mais maduro, que tivesse menos papo mole e mais atitude, sabe? Porque falar que ama é fácil, mandar mensagem dizendo que tá com saudade qualquer um faz, difícil é desmarcar o futebol com os amigos de sexta porque é o único dia que dá pra ficar um pouco mais de tempo junto. Você tava achando que eu ia ser mais uma a entrar no seu joguinho e acabar morrendo de amores, só que logo de cara eu reconheci seu tipo: carinha de bom moço, fama de conquistador e um jeitinho irritante de quem leva todo mundo na lábia. Mas eu não.

Caí fora assim que eu me dei conta de que a gente não tinha nada a ver. Eu queria x, você y, eu falava a, você b, não dava pra gente se acertar se ninguém tava disposto a entender o que o outro dizia. Você curte festa, azaração, noitadas que duram até a manhã seguinte, eu prefiro um jantarzinho romântico, barzinho com o amigos, domingo juntinho. Cê tava atrás de viagens, lugares chiques, gente badalada, e eu buscando por amor. Não ia rolar mesmo, então pra que insistir? O que eu queria não tem preço e você não poderia me proporcionar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.