Nova Perspectiva

30 de agosto de 2016

O pôr do sol: o nosso segredo


Era fim de tarde, a brisa forte varria a praia e o azul celeste cedia espaço para tons alaranjados no céu. Eu contemplo o pôr do sol, você contempla a mim. Sinto os seus olhos castanhos percorrerem tranquilamente cada traço meu, enquanto os meus insistem em fugir de ti, em uma tentativa fracassada de esconder aquilo que já não era possível ocultar. No fundo, eu sei, você sabe, não é acaso, nunca foi.

Eu ainda lembro quando, por um descuido nosso, os teus olhos encontraram os meus e desde então foi amor. Eu ainda lembro quando o teu sorriso invadiu o meu peito e se tornou a razão mais sincera dos sorrisos meus. Eu ainda lembro que o teu coração acelerava quando eu me entregava a força do teu abraço e fazia dele o meu refúgio.

E agora estamos aqui. A quilômetros de distância de um mundo caótico, que insiste em limitar a liberdade que grita dentro de nós, aqui, em um universo paralelo, cuja extensão vai além do traçado que se desenha ao horizonte, com as medidas exatas para abrigar a infinidade de sentimento que carregamos em nós, um universo iluminado pelo brilho dos teus olhos e aquecido pelo calor dos nossos corpos.

Enquanto as ondas dirigem-se incessantemente a praia, e o som do encontro entre ambas quebra a calmaria que nos rodeia, eu me pergunto se é real... Difícil dizer.

Os teus braços a me envolver e as minhas mãos encontrando destino certo em torno do seu pescoço tornam ainda mais tênue a linha que separa o certo e o errado, o querer e o poder, o desejo e a sua concretização.

Eu ainda nem sei ao certo como e porque você chegou, mas hoje eu só te peço que fique. Fica e faz dessa tarde a nossa rotina e do pôr do sol o nosso segredo, o maior e mais bonito deles. Hoje, só por hoje, eu te peço: mergulha comigo nessa história, faz do meu coração a tua morada, do meu colo o teu aconchego, do meu amor a tua eterna companhia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.