Nova Perspectiva

3 de agosto de 2016

Nem dói mais pensar em você


Eu ficava pra morrer quando você sumia e eu ficava lá sozinha, com o coração na mão. Doía demais te pedir para ficar e ver você sumindo, indo pra bem longe de mim mesmo quando a vida era partilhada. Mas tudo bem, passou.

Passou, mas não antes dessa experiência me transformar completamente a ponto de mudar de visão de mundo, de comportamento e virar praticamente outra pessoa. E pode parecer prepotência falar assim, mas pergunta pra qualquer pessoa que me conhece bem e há muito tempo... todos vão dizer que estou muito melhor sem você.

O mais irônico é que sua ausência, que antes me levava à loucura, repentinamente me levou à paz. Paz mesmo, de me olhar no espelho e pensar "eu sou gostosa sim, me acho linda" sem o peso daquele seu reflexo merda no meu ombro "zoando" o meu peso, como se fosse a pessoa mais atlética e irresistível do mundo (e mesmo que fosse, não justificaria). É um prazer poder dormir de boa também, sem morrer de ansiedade por não saber qual seria o desfecho do sumiço da vez. Hoje em dia eu durmo bem, durmo leve e até me lembro dos meus sonhos. Não dói mais dormir sem você, muito pelo contrário... tirar o peso da possibilidade de dormir com você simplesmente revolucionou a minha saúde e meu humor. Falando em humor, tem aquela parte: o sexo. Não vamos entrar em detalhes, mas descobri pessoas mais abertas, mais seguras de si, mais dispostas e que aparentemente se sentem muito atraídas por mim. E isso é bom.

Pensar em você me trazia uma nuvem de lágrimas (saudades Fafá de Belém), o livro de mágoas de Florbela e pra completar uma baita azia. Sem brincadeira, meu estômago simplesmente me sabotava só de lembrar da sua cara ou te ver no meu feed e é justamente por isso mesmo que aconselho a todos desativarem os feeds dos ex's enquanto a ferida está aberta: ambos tendem a fazer merda, uns declaradamente e outros nem tanto.

Só sei que o vazio que existia deu lugar a um mundo totalmente novo e cheio de possibilidades que eu jamais imaginei viver ao seu lado, porque você nunca estava lá. Finalmente consegui fazer a viagem que eu tanto queria e adiei por sua causa. Vi lugares incríveis, respirei novos ares, conheci pessoas maravilhosas, tive contato com novas culturas e aprendi muitas coisas. Levei comigo apenas a bagagem e a certeza de que eu me basto e sou feliz.

O vazio deu espaço para a leveza e consegui combater o sofrimento e lidar melhor com a dor. Porque é como dizem: a dor é inevitável o sofrimento opcional. Quando combatemos o sofrimento, a dor simplesmente desaparece, é impressionante. As pessoas geralmente tem muita dificuldade em sair da zona da sofrência porque é muito mais fácil ficar por lá ouvindo música triste e se auto sabotando. É preciso muita coragem pra dar a cara a tapa para o mundo e seguir - de fato -  sozinha.
Quando a dor passou, consegui dar espaço para que entrassem na minha vida e no meu mundo com mais segurança. Quando percebi que nem todo mundo é igual a você foi como enxergar com os óculos pela primeira vez! Consegui me abrir, me permitir gostar sem ter, ter sem gostar e um monte de combinação bacana. Aprendi que pra gostar não existe padrão e com isso tive a certeza que gostar, a gente não se gostava. Você não suportava a minha existência e eu queria você ao meu lado. Isso não era amor. Não era amor, era cilada.

Assim que passou, você passou a ser o outro. 

Imagem: Sophia Linares

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.