Nova Perspectiva

16 de agosto de 2016

Ela só precisa de alguém em que possa mergulhar


Outro dia ela disse na mesa do bar depois da quarta lata de cerveja que tinha desistido do amor. Afirmou como quem conta uma notícia velha e sem importância. Soltou no ar as palavras, sorriu com aqueles dentes branquinhos de quem sabe que tem o sorriso mais lindo do mundo e pediu pro garçom trazer mais uma da boa. Embora parecesse feliz, seus olhos berravam o contrário de toda aquela cena. Não era desapego, era mágoa. É que depois de colecionar uma centena de frustrações ela cansou de mergulhar em águas que não passam do umbigo. Quem é que não desistiria? É exaustivo tentar se afundar em quem dá pé pra gente. Exige esforço demais e o retorno é pequenininho.

Ela cansou. Todo mundo percebeu. E olhou com pena enquanto ela disfarçava que estava tudo ok. Não tá. Mas ela não vai assumir porque é forte demais pra dar o braço a torcer. Assim como não fala, ainda que pense, o quanto espera por alguém que a vá fazer mudar de ideia. Ali, naquele peito, tem espaço de sobra pra alguém entrar e a porta tá aberta, escancarada, só esperando quem vai ser o corajoso a enfrentar a armadura que ela vestiu. Ela só precisa de alguém que a faça querer voltar a ter fé, por menor que seja, no amor. Alguém que não chegue pela metade, atrasado, contando os minutos pra cair fora em busca de outra aventura. Ela só precisa de alguém que tenha mais do que migalhas pra oferecer.

A verdade é que ela só precisa que alguém chegue sem avisar e balance cada uma das estruturas que ela jura ter fincado com força no chão. Alguém que ligue no meio da noite e mande mensagens de bom dia e que chegue de surpresa no final da tarde com um buquê de flores e um vinho bem docinho. Ela precisa de alguém que a surpreenda, que não tenha vergonha de demonstrar o que sente, que grite pro mundo que é pra valer. E que seja. Ela precisa de alguém em que possa confiar e se entregar sem se preocupar se estará sozinha na manhã seguinte. Alguém que a faça querer deixar de lado seus medos e traumas e a convença a se jogar nessa loucura que o amor pode ser.

Ela precisa de alguém que a faça entender porquê nenhuma das outras vezes deu certo, mesmo com tanto esforço e tanta dedicação pra que desse. Alguém que a convença de que dar errado foi muito melhor, porque o futuro estava reservando o que ela merecia. Ela precisa de alguém que a prove que o problema nunca foi ela, nem com ela, mas sim com aqueles caminhos tortos em que andava se enfiando, com as pessoas pequenas em que tentava se encaixar só pra não ficar pra fora. Ela precisa de alguém que seja grande, que tenha espaço. Alguém em que possa mergulhar sem se preocupar se vai bater a cabeça, que a deixe se afundar até perder o ar.

2 comentários:

  1. Olha... eu não queria escrever essa palavra aqui, mas Gabi.. CARALHO!

    Mano.. tu andou lendo o que passava pela minha cabeça? Porque nossa, sou eu sem tirar nem por uma vírgula aí desse texto. Exatamente assim que me sinto. Desde que terminei meu namoro eu simplesmente cansei. Cansei de encontros vazios, de beijos vazios, de saídas vazias, de conversas vazias, de sentimentos vazios. Tentei ir de cabeça por tanta gente. Joguei todas as minhas forças e sei lá, me senti tão fraca. Por mais que eu fizesse tudo, e eu fiz tudo, eles sempre preferiam outra. Outras aventuras, outros romances. Outras. Apenas outras. Caraaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa, tô aqui até sem saber o que comentar direito. Para de fazer isso kkkkkkkkkkkkkkkk, mentira, não para não. hahaha

    Um beijo suuuuuuuuuuuuper grande.
    http://www.mayaquaresma.com.br

    ResponderExcluir
  2. sou apaixonada pela forma que você escreve, parece que coloca em palavras cada confusão e sentimento meu, obrigada por existir

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.