Nova Perspectiva

1 de agosto de 2016

Depois de você eu não sou mais a mesma


Por mais que eu me esforce já não consigo mais lembrar de como eu era antes de você, como se tudo tivesse mudado a partir da sua chegada e nenhum resquício do que eu fui tivesse sobrado. É engraçada essa sensação de ser uma nova pessoa sem deixar de ser eu, de estar num corpo conhecido, mas ver alguém totalmente diferente nele. Como se eu tivesse feito uma viagem sozinha pra algum lugar distante e descoberto coisas em mim que contagiaram a minha alma de um jeito que se tornou impossível ignorar e permanecer imutável. Eu não fui a lugar nenhum, mas o amor se mudou pra cá e colocou pra fora um monte de coisas que eu guardava nas gavetas e armários e baús secretos e eu não tive como fingir que de repente as coisas não tinham ficado diferentes.

Tudo mudou. Do jeito como eu ando acordando inspirada e confiante à maneira como eu vou dormir leve e tranquila, sem me sentir obrigada a carregar um peso mórbido na coluna por que eu achava que ser infeliz era o único caminho que eu merecia. Depois de um tempo sofrendo de tanto cair em armadilhas a gente acaba se acostumando com a ideia de que nem todo mundo nasceu com sorte pro amor. Eu tinha azar. E tudo bem, paciência, era só eu aprender a lidar com isso. Mas aí alguma coisa aconteceu em mim e até aquela minha maneira de ver a vida sempre tão pesada e sombria, clareou e iluminou e tornou tudo muito mais bonito. Desde que você chegou cheio de lábia tentando me convencer de que merecia pelo menos alguns minutos pra me provar que merecia entrar aqui dentro e ficar, tudo ganhou outro sentido.

Você me transformou em outra pessoa, no melhor sentido que a gente pode dar pra palavra transformar. Fez com que eu conseguisse ter uma ideia nova de mim mesma e gostar dela. Foi como mudar os móveis da sala e descobrir que ela fica muito melhor assim. Eu fiquei melhor desde que você chegou com a sua bagagem e eu te cedi um espaço no meu coração. Você devolveu a minha fé no amor, algo que eu achava que já tivesse morrido e nunca mais pudesse existir em mim. Ela renasceu daquela semente que você plantou e eu não tive medo de regar e cuidar e esperar. Floresceu junto da minha vontade de deitar no teu peito e perder as horas só sentindo o seu carinho na minha coluna.

Você me fez acreditar que a felicidade pode morar em coisas pequenas e existir sem que a gente precise se esforçar um monte pra isso. E hoje eu sei, ela vive em nós dois.

Imagem: gio ewbank

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.