Nova Perspectiva

2 de agosto de 2016

Dedicado à minha melhor amiga


Eu sempre fui do tipo que prefere certezas e foi exatamente por isso que, por algum motivo, quando você chegou, eu soube que era para ficar. Você veio com todas as convicções que me faltava, decidida demais, daquelas que não mede esforços para conseguir o que quer e, se preciso for, atravessa oceanos por algo que te faz feliz. Sabe, eu sempre admirei a sua intensidade, a sua capacidade de se entregar, de tentar, de viver. No fundo, eu sempre me vi um pouco (ou muito) em você- é claro, com as minhas devidas limitações. Você sempre foi mais. Mais corajosa, mais persistente, mais determinada... mais amor. E, por falar em amor, eu te agradeço por me ensinar tanto sobre ele todos os dias.

Você veio para me mostrar que não se vive com pouco, e sim aos poucos. Um dia de cada vez, um passo de cada vez e, se for preciso recomeçar, sempre haverá força para isso. Mas com pouco não. O pouco não sustenta, não mantém, o pouco não te cabe – não nos cabe. Você é do tipo que é impossível prever e muito menos limitar, é muito para se adequar a qualquer escassez. E eu sempre fui fã desse teu jeito. O teu excesso confrontava as minhas restrições, as tuas fronteiras inexistentes lançavam por terra os limites que eu tentava construir, a tua intensidade me roubava a sobriedade.

Eu sei que nem sempre tudo dava tão certo para você. E as vezes (na verdade, muitas vezes) eu tive a impressão de que você também sabia que não daria. Por que tentava? Por que persistia? Eu perdi a conta de quantas vezes me perguntei isso. Eu nunca fui capaz de entender essa tua mania de insistir na vida, essa tua persistência incansável, essa tua coragem que parece nunca ter fim. É que eu era limitada demais para entender que para você não existia limites.

Você é como pólvora, ao menor sinal de calor incendeia e consome o que estiver por perto. Eu estava perto. Perto o suficiente para ser aquecida pelo calor que flui de você. E quando eu percebi, você já havia invadido a minha vida, ocupado o meu coração e tomado para ti o posto de amiga, melhor amiga. Quando as manhãs eram nubladas e as noites frias, o teu abraço me esquentava, o teu carinho me confortava. Quando as madrugadas eram longas demais, a tua companhia me alegrava. E quando as tempestades chegavam, eu sabia que tinha você.

Nuca foi acaso, você é resposta de oração. Sabe aquela história de que Deus te dá exatamente o que você precisa? Pois é, eu precisava de você. Ou melhor, preciso. Eu preciso saber que onde quer que você esteja, você ainda tem os braços abertos para me receber. Eu preciso saber que ainda que eu faça tudo errado e não siga nenhum dos teus conselhos, o teu colo sempre estará disponível para mim. Eu preciso saber que mesmo que os dias sejam corridos e os meses passem sempre será amizade, sempre será amor. Até a eternidade.

Imagem: brumarquezine

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.