Nova Perspectiva

17 de agosto de 2016

Cara, eu não sou sua amiga


Olha, eu devo admitir que até tentei uma amizade sincera, uns desejos de felicidade e até mesmo compreensão com cada mancada diária e semanal. Só que eu falhei e falhei demais. Falhei por tentar tanto tempo e gastar tanta energia pra você me fazer de trouxa. Não bastava me dar para comer o pão que o diabo amassou, me acusar de coisas sérias para que eu tivesse medo e não saísse do lugar, não bastava me fazer sentir a pior pessoa e em todos os sentidos: amorosos, sexuais, familiares, profissionais, mentais e seja lá o que for. Se eu fizesse esgrima eu tenho certeza que algum defeito você ia dar um jeito de colocar, porque sabia que me atingiria. Hoje? Tô de boas porque não pretendo mudar ninguém, muito menos você - tão irrelevante.

Só que ao contrário do que você tem dito por aí, não somos amigos não. E muito menos temos uma boa relação. Eu SEI que é mais fácil dizer que temos uma relação ótima, porque caso eu ouse desmentir isso farei o (típico) papel de antipática e nervosinha. Porque, né, você pelo menos DIZ que temos uma boa relação por mais que aja de modo completamente diferente do que camaradas fariam.
Eu fico chocada porque se analisar bem esse quadro é uma mistura de alienação com distorcer a realidade em benefício próprio. Ou, como disse um amigo muito querido:

"Às vezes eu acho que esse cara vive em outra dimensão e ele vem aqui para visitar de vez em quando e acha que a relação que vocês tem na outra dimensão é a mesma que tem nessa"

Talvez você até ache que somos amigos mesmo, porque dessa forma você não precisa admitir que é um escroto e que eu tenho sim meus motivos bem reais para não sustentar uma relação que só me pesa, só me põe pra baixo, só me altera os nervos, só me desencanta com a vida.

E a vida, caro não amigo, ela é boa. A vida é tão boa que eu te sugiro procurar por amigos de verdade, que sustentem suas teorias, que acreditem e apoiem suas mentiras que já cansaram os ouvidos de quem tem que ouvir o que você fala apenas no privado - porque pedir paciência todo mundo pede, aguentar ninguém aguenta.

Então, caro não amigo, assuma que não nos damos bem e que temos nossas diferenças. Podem me pedir toneladas de compreensão, mas são as mesmas pessoas que não tem nenhum desejo de amizade ou positividade namastê com alguém que fez tanta sacanagem, uma atrás da outra e sem nenhum freio. Mas só com elas, né, com os outros tá tranquilo.

Então eu quero que você saiba que quando fala sobre amizade você comove muita gente ao arrancar lágrimas após gargalhadas e teorias sobre o seu constante desejo de ter um bom discurso e uma atitude bem merda. E como todo mundo compra um bom discurso.

Ninguém é obrigado a ficar esperando por alguém por horas. Essas horas viram dias, esses dias se acumulam, o stress vira uma bola de neve e quando percebemos já se passaram anos de belo discurso que nunca, nunca chega na prática.

Amigos não fazem nada do que você faz. Amigos apoiam discursos mas não vivem o que eu vivo: como as longas esperas, os sumiços, omissões, descasos e desrepeito. Muito desrespeito. Amigo pode até desrepeitar, mas é um desrespeito mútuo que vira piada. No nosso caso, não. Não quero que vire piada, quero viver os meus momentos sem depender da sua boa vontade e boa intenção.

De boa intenção o inferno tá cheio. De político e de caras como você também, tá?

Então vai ser amigo de quem você não sacaneia sempre que pode, de quem você cumpre com os compromissos, de quem apoia sua mentalidade, de quem acredita nas suas versões e de quem te quer por perto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.