Nova Perspectiva

28 de julho de 2016

Eu tentei de todos os jeitos, mas não deu pra gente


Minhas amigas são provas vivas do quanto eu insisti na nossa história, mesmo com todo mundo dizendo que não valia a pena e que eu estava perdendo o meu tempo porque nós tínhamos tudo pra dar errado. Elas sabem porque foram elas que me viram perder noites e noites tentando encontrar um jeito de te fazer ficar, elas que enxugaram as minhas lagrimas e que ouviram as minhas lamentações sobre o quão difícil era tentar sozinha carregar nós dois nas costas. Elas viveram todo esse processo comigo, esse mesmo que você fez questão de ignorar o tempo todo e fingir que não fazia parte. Mas não importa mais, porque no final eu precisava mesmo ter tentado, eu precisava sair disso com a certeza de que a culpa de ter dado errado não era minha porque eu tinha me dedicado ao máximo. E eu me dediquei. Me dediquei porque, mesmo soando insano, eu queria que desse certo, queria muito, por isso que eu tentei de tudo e lutei contra o mundo sem pensar nas consequências e no depois e o que sobraria de mim quando isso acabasse.

Eu depositei toda energia que eu mesma já não tinha em nós e mesmo assim a gente continuou despencando ribanceira a baixo sem travar sequer um segundo pra pensarmos se não tinha um jeito de arrumarmos tudo. Eu fiz mais do que estava ao meu alcance, desafiei a gravidade tentando nos agarrar com a pouca força que me restava, mas nada parecia dar resultado. Nada fazia com que você respirasse fundo e criasse coragem pra embarcar nessa comigo. Enquanto eu buscava maneiras e estratégias e novas rotas, você ficava assistindo de camarote o nosso fim se aproximar numa velocidade estratosférica e nem ao menos se incomodava em tentar fazê-lo se afastar. Nem gritava e colocava um sinal de emergência ou tentava lutar contra. Você precipitou as coisas quando optou por tornar ainda mais difícil as nossas tentativas de dar certo. Cê não fazia questão que déssemos. Nunca fez. Eu é que fui cega demais e demorei pra criar coragem e abrir os olhos e conseguir enxergar o que estava bem na minha frente. O que eu não queria ver por medo de ter de encarar e cair fora pra sempre.

Mas eu não me arrependo de nada, não me arrependo porque pelo menos sei que fui eu quem tentou de todos os jeitos salvar a gente ao passo que você só nos destruiu de vez. Eu só demorei pra compreender que sozinha não ia conseguir levar a gente pra lugar algum porque amor é algo que não se vive só ou que a gente pode se permitir sentir por dois. Fui tola, confesso. Agi igual idiota achando que o meu amor seria suficiente pra cobrir o espaço que existia em você só preu não ter de abrir mão de ter a nossa história, é que no fundo eu sabia que na primeira chance você voaria pra longe fugindo de tudo aquilo que na minha cabeça nós tínhamos criado. E eu não queria te perder. Mesmo que você nunca tenha realmente sido meu. Mesmo sabendo que nada nunca tenha sido real e que por mais que eu me esforçasse aquilo não fosse nunca mudar. Eu coloquei cento e dez por cento de mim, mas você nem se mexeu e aí acabamos ficando desfalcados. Fazer o que? O importante é que eu sei que fiz a minha parte, bem mais que ela pra falar a verdade, e se não deu pra gente é pelo que você deixou de fazer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.