Nova Perspectiva

27 de junho de 2016

Não deixa a distância ser maior que a gente


Releio pela décima quinta vez a nossa última conversa e sinto a saudade me consumindo de dentro pra fora. Como se tentasse retalhar cada um dos meus órgãos. Queria você aqui. Queria você agora. Queria sentir sua mão segurar com força a minha só preu ter certeza de que você vai ficar e não vai fugir. Só preu acreditar que vai ficar tudo bem. Queria conseguir me aninhar no seu peito, encostar a cabeça no seu ombro e esquecer do resto do mundo enquanto suas mãos passeiam pelos meus cabelos. Queria te ver. De perto, de longe, aqui ou aí, essas coisas já nem importam mais, porque eu só queria que você coubesse no meu ângulo de visão, que se encaixasse nos metros que me cercam, mas cê tá longe demais preu te enxergar. E tocar. E desejar. Tá longe demais pra que eu conseguir achar sentido pra todo esse amor que vivi aqui dentro, então eu deixo de querer entender e procurar explicações e me permito só sentir. E ultimamente sinto bem mais do que eu gostaria.

Pergunto pra mim mesma num silêncio estrondoso quanto tempo falta pra distância nos estraçalhar de vez. Pra que ela nos esmague e depois pisoteie em cima da nossa esperança de que em algum momento teremos um final feliz. Temos que ter. Merecemos isso. Não merecemos? E indago quanto tempo a gente ainda vai conseguir se sustentar sem desabar em pedaços. Se é que nós vamos, porque eu realmente não sei se vai dar pra no meio disso tudo nós nos salvarmos. Não sei se vamos ser maiores que o penhasco que separa a gente. E eu tenho medo de que não sejamos. Pânico. Pavor. Porque eu preciso que a gente seja. Preciso que você acredite que nós podemos ser se nos esforçarmos bastante pra isso. Mesmo parecendo loucura. Mesmo que talvez realmente seja. Preciso que você esteja comigo porque eu não vejo outra saída. Não quero soltar da sua mão, ainda que segurar a sua mão, hoje, seja algo completamente metafórico. Não quero saltar do barco porque parece impossível demais, sabe? Eu quero continuar e tentar e lutar, mas eu preciso que você queira também.

Eu preciso que você confie que o precipício é imenso, e até um pouco assustador, mas que se encararmos juntos podemos cair em pé. Um ao lado do outro. Esquece a razão, a lógica, o óbvio e pensa só com o coração. Escuta o que ele quer te dizer sem levar em conta qualquer empecilho que te faça querer fugir. Ele tá falando meu nome, não tá? Eu sei! O meu grita o seu vinte e quatro horas por dia. E eu não quero fingir que não to ouvindo porque não vai adiantar, mesmo que a gente se engane, mesmo que a gente tente desviar do caminho e se afastar um do outro, pra nós mesmo não podemos mentir. E a verdade a gente sabe: é amor. É muito amor. Mesmo com a distância e a saudade e o medo de dar errado. Mesmo com todo mundo achando que não vale a pena entrar nesse porque a vida não é um roteiro de Hollywood. O que eles não enxergam é que a gente já entrou. Já afundamos e nos sujamos inteiros. Então não adianta. Por isso tenta acreditar. Tenta por nós. Não deixa a distância ser maior que a gente. Entrega os pontos, abre o peito e me atende só preu te dizer que mesmo de longe eu sei que é pra sempre eu e você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.