Nova Perspectiva

18 de junho de 2016

Não dá pra ser nós dois

— Você precisa parar com essa mania.
— Que mania?
— De ficar me ligando como se não fosse nada demais.
— Você quer que eu pare de te ligar?
— Quero!
— Pra sempre?
— Cara, a gente não tem mais nada pra falar.
— Eu ainda tenho muita coisa pra te falar.
Não! Você não tem. Só estamos prolongando o final que é inevitável.
— Podíamos tentar lutar mais. 
— Já lutamos o suficiente.
— Não foi o bastante pra dar certo.
Talvez porque não seja pra gente dar.
— Como pode?
— Como pode o que?
— Um amor tão bonito como o nosso não ter sido feito pro tal do happy end.
— Amores assim são intensos demais pra durar a vida toda.
— Mas o amor ainda dura em mim.
— Em mim também.
— Então...
— Então que só isso não basta! Você sabe tanto quanto eu o caos que causamos juntos, a gente se destrói moreno. 
— Eu gosto do nosso caos.
— Gostar... O problema é que isso cansa, ficamos exaustos tentando lutar contra nós mesmos, saca? Por mais difícil que seja ficar longe, é pior ainda quando estamos perto.
— Você tem razão, eu sei que tem, mas como é que eu vou explicar isso pro meu coração? Como é que eu vou dizer que o amor da minha vida vai ter que ficar pra uma próxima vida?
— Você não precisa explicar, ele já sabe. E ele precisa disso. Precisa porque assim como o meu ele tá surrado, tá machucado, cheio das cicatrizes que nós causamos. Ele sabe que isso vai ser o melhor e nós sabemos também.
— É isso? Acabou?
— Sim. Acabou.
— E eu não posso te ligar mais?
— Não, você não pode mais fazer isso!
— E quando a saudade bater?
— Chora muito, que nem eu choro, até a saudade ter saído toda pelos olhos.
— E depois?
— Você continua vivendo. Igual eu vivo. Cruza com outras pessoas, conhece outros amores, cai em outras histórias...
E me forço a aceitar que o nosso amor é muito maior do que podemos carregar. Não é?
— É.
— Então tá.
— Beijos.
— Não vai surgir aqui uma fala de impacto que vai mudar tudo, não é?
— Não. Nossa história é de verdade, não é de livro.
— Bem, então beijos. Fica com Deus, já que não pode ficar comigo.
— Você também...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.