Nova Perspectiva

7 de junho de 2016

Deixa que tudo se ajeita


— Que coincidência te encontrar por aqui.
— Pois é...
— Você ficou linda com esse corte.
— Pena que eu detestei, não vejo que ele volte ao normal.
A gente nunca concorda em nada, né!?
— Exatamente.
— Como andam as coisas na sua vida?
— Boas e na sua?
— Ah, sabe como é... as vezes tá tudo ótimo, as vezes tá tudo meio merda.
— Hum.
— Vi que você tá namorando.
— Já faz um tempo.
— Achei que cê não gostasse dessas coisas de mudar status do facebook e postar foto de casal com frase pronta.
— Achei que que minha vida não te interessasse mais.
— Você tá feliz?
— To.
— Não parece.
— Mas eu to.
— Tá nada, nem você acredita nisso.
— Que diferença faz?
— Toda!
— Não cara, não faz nenhuma. A sua vida continua igual mesmo que eu esteja infeliz. Tanto faz se eu to soltando fogos de artifício por dentro ou to remoendo um montão de mágoas por estar me enganando com alguém que eu não amo.
— Você tá se enganando?
— O ponto não é esse...
— Qual é o ponto?
Que essa conversa não faz sentido.
— Pra mim faz.
— E qual é?
— Que o destino tá nos dando outra chance.
— Que?
— Você não tá realizada. É óbvio. Isso tá escrito em negrito na sua testa. Eu também não to. Pelo contrário, tenho vivido um dia após o outro esperando que alguma coisa aconteça e é isso, saca?
— Isso o que?
— A gente!
— A gente...?
Que precisa acontecer.
— Já acontecemos. Não deu certo antes.
— Deu sim, de um jeito meio torto, só que foi antes da hora, eu tinha que viver outras coisas, você conhecer outras pessoas. Era pra ser, só que não tão rápido do jeito que a gente esperava.
— Você fumou alguma coisa, né!?
— Quando foi que cê ficou tão cética?
— Depois que eu confiei em você e quebrei a cara.
— Eu errei, confesso, mas as coisas mudam, não mudam?
Sim e eu também me mudei de você.
— Mentira! Cê ainda tá aqui, eu sinto, e sei que to ai também.
— Você é muito prepotente!
— Engano seu, eu só sei que tenho razão.
— Sabe? Como é que você sabe?
— Simples: olha a gente aqui, se reencontrando no meio do nada mais uma vez. Olha o mundo dando outra volta e nos colocando novamente de frente um pro outro. Eu não aguento mais fugir e fingir que é só coincidência. Não é! A gente nem curte os mesmos lugares, saca?
— Eu sei que tem alguma coisa.
— É amor. Essa coisa aí é amor.
— Que seja. Eu sei que tem amor, só não sei se ainda tenho forças pra acreditar que só isso basta.
— Só isso não bastaria, mas como isso é tudo eu sei que será o suficiente. Você só precisa confiar em mim.
— E se der errado de novo?
— Tudo bem. A gente segue em frente e deixa as coisas se ajeitarem, de qualquer jeito o universo sempre vai acabar nos devolvendo um pro outro de novo.

Um comentário:

  1. Já tive uma conversa dessas, só que no final eu não quis tentar de novo... Me arrependo, mas sou orgulhosa demais pra ir falar com ele de novo!

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.