Nova Perspectiva

18 de junho de 2016

Casaco Velho

Hoje, quando acordei, o céu estava cinza, e o uivo do vento soprava constantemente aos meus ouvidos. Estava parecido com aquele dia, aquele último dia, quando você bateu a porta na minha cara e disse que era o fim.

Fim.
Fim.
Fim.

Como essa palavrinha pequenininha, aparentemente inofensiva, machuca tanto? E foi ela, a palavrinha, a que você gritou, a que você fez ecoar na minha cabeça, a que me destruiu por inteira, a única coisa que você me deixou....

Ah, não! Pera aí... Eu tinha esquecido! Você me deixou o seu casaco mais velho... Acho que por engano, não é? Mas está aqui, no meu guarda-roupa, na última gaveta, junto com as roupas sujas e que não quero mais.

Por um mês ele foi meu pijama. Eu o colocava, cobria a cabeça com o capuz, e dormia sentindo seu cheiro. Aquele cheiro de perfume doce, misturado com cigarro barato e bala de menta. Por mais que doesse, e, intimamente, eu me considerasse quase uma sadomasoquista, sentir seu cheiro acalmava meu coração. Era quase como se você estivesse me abraçando. Quase como se tudo estivesse normal, e você tivesse me deixado seu casaco unicamente para que amenizasse a falta que você faria.

Mas um belo dia, não me lembro quando, eu abri a janela e vi que o sol tinha aparecido. Reparei no céu azul. Reparei na bagunça que você deixou. E decidi arrumar tudo. Mas eu sabia, ô se sabia, que arrumar a minha vida seria algo complicado, então preferi começar pelas tarefas mais simples. Arrumei meu guarda-roupa. E enfiei seu casaco lá, na última gaveta, junto com as roupas que eu não quero usar mais. Enfiei seu cheiro lá, seus sonhos, suas inseguranças, seus surtos, seus medos, seus carinhos, seus beijos, seus desejos, e tudo de bom e ruim que ficava balançando entre nós dois.

Aliás, estou precisando arrumar o meu guarda-roupa... Abrir espaço.

Quando você vem buscar o casaco mesmo?

Não tenho mais espaço para ele aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.