Nova Perspectiva

2 de maio de 2016

Carta pra namorada do meu amor

Você deve estar me achado abusada demais por estar aqui. Depois de tudo o que aconteceu eu ainda tenho a ousadia de te escrever uma carta. Talvez seja demais mesmo, talvez eu esteja ultrapassando todos os limites aceitáveis e te faça me odiar ainda mais, mas não te condeno por pensar mal de mim, nem por sentir raiva e querer que eu suma da face da terra. Você está no seu direito, eu que sempre ultrapassei o meu. Pode achar que eu destruí a sua história, no teu lugar, certamente, eu pensaria a mesma coisa. É mais fácil assim. Eu também falaria mal de mim se fosse você, te xingaria pras minhas amigas e usaria teus defeitos pra te rebaixar. É isso que a gente faz quando está machucado. Certo ou errado quem sou eu pra dizer? Quem sou eu pra tacar pedras? Agora eu to só na defensiva, já fiz merda demais. Não ache que eu vim pedir desculpa, não posso, não seria sincero, porque não me arrependo do que eu fiz, mas de como eu fiz e isso é bem diferente.

Eu sempre soube de você, sempre soube que havia alguém pra quem ele voltada todas as noites, mas isso não me impediu de continuar vivendo essa história. Demorei pra descobrir seu nome, mas depois foi fácil te reconhecer por ai, nas fotos com ele, nas viagens em família, nos jantares com amigos. Era você quem sempre estava com ele, e eu te odiava por isso. Te odiava por ocupar o lugar que eu achava que tinha mais direito, por você passear com ele de mãos dadas pelos lugares que eu queria enquanto a gente se via escondido num quarto de motel. Eu te odiava todas as vezes que você ligava e ele atendia e eu precisava ficar em silêncio pra que do outro lado você não ouvisse, te odiava todas as vezes em que eu ligava e caia na caixa postal porque ele estava ai ao seu lado. Eu te odiei muito, ao ponto de torcer pra que você fosse pro inferno. Falei mal do seu estilo, do seu jeito, falei que você era burra e cega e te transformei em piada no meio das minhas amigas. Rimos muito da sua cara, mas no fundo eu sabia que a única patética ali era eu.

Você ficou conhecida como “A trouxiane” da namorada dele. Trouxa? Não! Se ainda restar tempo eu quero corrigir isso, porque a otária sempre foi eu. Eu que aceitei viver das sobras de uma história que nunca foi minha. Cê pode não conseguir entender com qual direito eu podia sentir raiva de você, mas na minha cabeça eu tava defendendo o meu lugar, aquele de quem aceita ficar com os restos de alguém. Não me orgulho de nada do que eu fiz, mas não abaixo a cabeça e aceito ser vista como uma grande vilã. Não fui eu quem destruiu o seu namoro, porque eu nunca tive nada com você, quem destruiu tudo o que vocês construíram foi ele, eu só não desisti do que queria. Eu fui só uma mulher que amava um cara babaca, igual você. Sim, é isso mesmo: igual você. Quando se trata de amor não importa a tua posição na vida de alguém, ele é o mesmo pra qualquer um.

O nosso único erro foi ter amado o mesmo homem. Não, não me leve a mal, não to me abstendo da culpa de ter me envolvido numa história que eu sabia que era errada, só quero te mostrar que do mesmo jeito que você sofreu e chorou e amou, eu também sofri, chorei e amei. Eu podia ter pulado fora, podia ter me afastado e partido pra outra, mas você teria desistido de alguém só por não ser o melhor caminho? Você teria aberto mão da sua felicidade por causa de alguém que você sequer conhece? Talvez eu tenha sido egoísta, mas nunca o obriguei a estar comigo, ele sempre veio porque quis, nunca fui atrás e me humilhei até que ele cedesse, nunca precisei implorar, nem ficar ligando desesperadamente, então se ele, que tinha um compromisso, não o respeitava, por que eu iria? Se eu o amava e acreditava no que ele dizia? Acreditava que a relação de vocês estava horrível e ele só tava esperando a hora certa pra cair fora? Se ele jurava que me amava, mas não podia te machucar e por isso precisava de um tempo pra colocar tudo no lugar?

Eu não parecia ser só um brinquedinho que ele usava, a gente também falava de casamento e filhos e do futuro, a gente também fala de uma vida ao lado um do outro e de envelhecermos juntinhos. Também comemorávamos datas especiais, dividíamos os problemas e vivíamos como se não houvesse mais ninguém. Eu sinto muito se você esperava que eu tivesse sido algo sem importância, um caso passageiro, mas não fui, porque se eu tivesse sido não teríamos feito tudo isso. Não teríamos criado apelidos, trocado as chaves do meu apartamento e planejado algo em que você sequer fazia parte. Não importa se ele te amou mais ou me amou mais ou amou as duas e não soube o que fazer com isso. Não importa as mentiras que ele te contava e nem as promessas que me fazia. Ele foi um completo babaca, mas eu não. Eu só fui uma mulher loucamente apaixonada por um cara que não queria ser meu por inteiro e que preferia se dividir em duas vidas pra não ter que abrir mão de nenhuma.

O que nos difere é que eu sempre soube que não era a única e aceitei isso, aceitei ficar com as noites que você não podia, aceitei fazer as viagens sem que ninguém soubesse e ir pra locais em que você jamais iria. Eu aceitei, por medo de perde-lo, e você pode me odiar por isso, mas não pode negar que por amor a gente faz de tudo. Eu fiz. Por mais feio que tenha sido, eu fiz. Fiz porque queria acreditar que ele ia mesmo te largar, que o namoro de vocês estava uma merda e que ele tinha se apaixonado por mim quando me encontrou numa festa, antes mesmo que eu soubesse que havia mais alguém. Eu queria acreditar que ele era de verdade mesmo vivendo uma história de mentira. Isso não me torna pior que você, por mais que você não enxergue isso. Por mais que você ache que eu sou um monstro sem coração, eu não sou nada disso, pelo contrário, se não fosse inteira coração, não teria aceitado tão pouco de alguém pra quem eu dava tudo de mim.

Não vim aqui tentar te provar nada, só precisava te mostrar que o outro lado não é tão malvado. Nunca fui uma vadia destruidora de lar, nem uma piriguete ladra de namorados, eu era e sou uma mulher igual você que se envolveu num buraco fundo e não quis sair dele, mesmo sendo escuro e frio e assustador. Eu vim pra te dizer que a outra também sofre, também chora, também sente. E eu sentia muito, sentia tanto que passei por cima de tudo só pra não deixar de sentir. Passei por cima de você também e isso talvez me torne menos digna da sua compaixão, mas tanto faz, não é ela que eu quero. Eu quero que você se coloque em meu lugar como eu me coloquei tantas vezes no seu e se pergunte: eu faria diferente? Se você soubesse que ele amava outra teria desistido ou teria lutado? Porque eu lutei. Com cartas sujas, com trapaças, mas lutei. E no fundo nós sabemos, você teria lutado também.

Não espero uma resposta, mas gostaria que você tentasse, com paciência, enxergar que eu posso até ter tido certa culpa nessa tragédia toda, mas no amor e na guerra vale de tudo, não vale? Até mais.

*imagem via reprodução

14 comentários:

  1. Descreveu minha história, estou nessa situação :/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então saia dela, eis uma situação que não faz bem pra nenhum dos lados :/

      Excluir
  2. Minha história também...Já tentei ir embora, só que a pessoa que se ama está sempre ali, sempre disposto..fingindo que há só nós dois.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É punk, mas lembre-se: ninguém precisa de migalhas pra ser feliz!

      Excluir
  3. Quem também procura uma solução de amor ai?

    ResponderExcluir
  4. O pior que é sempre assim...E as culpam por tudo mas "a outra" que não se sabe ao certo quem é #TambémSofre

    ResponderExcluir
  5. Posta a resposta da namorada ..

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Estou passando por isso, o pior ainda ela era minha colega , mas foi inevitavel ele tentou muito ate me conquistar, as vezes me sinto um lixo por isso, mas não penso em deixa-lo ele ja faz parte de mim. Não sei até aonde isso vai parar !

    ResponderExcluir
  8. Amei o texto, você é incrível, garota! ❤ Amo quando você fala do "moreno" tbm, pq eu tb tenho um "moreno" que, pqp ... Mexe por demais comigo! Faz mais um texto falando sobre o moreno e os detalhes de quando vcs estão só vocês, um pro outro!

    ResponderExcluir
  9. AMEI O TEXTO! Vc arrasa! Super me identifiquei, principalmente com essa parte: "Não vim aqui tentar te provar nada, só precisava te mostrar que o outro lado não é tão malvado. Nunca fui uma vadia destruidora de lar, nem uma piriguete ladra de namorados, eu era e sou uma mulher igual você que se envolveu num buraco fundo e não quis sair dele, mesmo sendo escuro e frio e assustador. Eu vim pra te dizer que a outra também sofre, também chora, também sente. E eu sentia muito, sentia tanto que passei por cima de tudo só pra não deixar de sentir. Passei por cima de você também e isso talvez me torne menos digna da sua compaixão, mas tanto faz, não é ela que eu quero. Eu quero que você se coloque em meu lugar como eu me coloquei tantas vezes no seu e se pergunte: eu faria diferente? Se você soubesse que ele amava outra teria desistido ou teria lutado? Porque eu lutei. Com cartas sujas, com trapaças, mas lutei. E no fundo nós sabemos, você teria lutado também."
    ��������

    ResponderExcluir
  10. Aconteceu algo parecido comigo, e depois de chorar e sofrer bastante percebi que nossa relação não tinha nada alem de ilusões que eu criei para justificar a falta que ele poderia me fazer!

    ResponderExcluir
  11. Não mendigue amor de ninguém, a vida te da o que vc merece... e se for destino que vcs realmente fiquem juntos, ele mesmo se encarrega de trazer de volta, sem culpa, sem medo e só com o desejo de ser feliz, sem destituir nenhum relacionamento para que vc tenha o seu.
    Não faça para os outros o que não queira para si... essa disputa e a vontade de querer ganhar, no final vc só terá um coração partido e fotos deles sendo felizes depois de vc ter saído de suas vidas.
    Faça a sua própria história, e não seja protagonista em histórias de outras pessoas, outros amore.
    #Doeumasaprendi

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.