Nova Perspectiva

9 de maio de 2016

Carta da namorada para outra

Jamais imaginei que eu fosse ter estômago pra isso, mas quando a gente vive a situação acaba descobrindo que na prática é tudo muito diferente. Tá sendo. Não sei se pior do que eu poderia imaginar, mas certamente mais doloroso. Eu tive raiva sim, não vou mentir, no começo foi muito mais difícil, mas não se preocupe, se é que há alguma preocupação desse tipo, eu não sou ninguém pra dizer se cê tá ou não ultrapassando algum limite. Só posso garantir que não te odeio. Não mesmo! Eu sinto pena, e não ache que estou dizendo isso com mágoa, não to, é com sentimento de compaixão, desses que a gente tem quando olha uma pessoa bêbada caída pessoa na rua e não consegue entender como foi que ela chegou naquele estado. É que se eu que não sabia de nada já me sinto um lixo por ter feito este papel patético de viver uma história dividida, imagine você que não só viveu, como topou viver, e pra piorar ainda ocupando o segundo lugar na vida de alguém.

Não direi que nunca cogitei que pudesse haver outra pessoa na vida dele, algumas vezes questionei toda aquela fidelidade que ele jurava aos quatro ventos, mas quando a gente ama, a gente confia, porque estar numa relação é se entregar e acreditar que o outro vai fazer o mesmo por nós. Eu acreditei. Até achei que o meu erro tinha sido esse, mas não foi, porque se tem alguém que não errou nessa história, esse alguém fui eu. E não, eu não me arrependo de ter vivido com toda a minha verdade, mesmo não tendo recebido o mesmo de volta, eu não sei ser de mentira, nunca soube, e não pretendo aprender a ser. Na minha cabeça quando ele estava comigo ele era meu, e quando ele não estava ele também era, entende isso? Diferente de você eu nunca tive opção de escolha, nunca pensei sobre ter que repartir o amor dele com mais alguém. Eu não sou mulher de aceitar metade, nunca fui, e não existe homem neste mundo que me faria aprender a ser.

No começo eu até quis colocar toda a culpa em você, é que era mais fácil apontar o dedo na cara de alguém que eu desconhecia do que ter de enfrentar a verdade: a pessoa que tava ao meu lado era tão desconhecida quanto a pessoa com quem ele mantinha um caso. Doeu encarar a verdade, te xinguei um montão de vezes antes da ficha cair e eu compreender que o erro maior sempre foi dele. Falei mal de você também, não sei se eu tive mais motivos, mas certamente tive mais fúria. Eu me sentia enganada, usada, trouxa. Queria mesmo que você fosse só uma vaca, dessas sem amor próprio que precisam viver de sugar a relação dos outros. Respondi suas indiretas nas redes sociais, fiz sua caveira pra muita gente, ri da sua cara de forma forçada só porque eu queria que você fosse menos do que eu. Cê não é, eu sei, mas foi o jeito que eu encontrei pra lidar com tudo aquilo.

E eu estava no meu direito, não estava? Tinha feito papel de idiota, aquilo revirava meus órgãos fazendo com que eu quisesse vomitar um milhão de verdades em cima de vocês. Sentia náuseas de pensar em todas as vezes que você ligou e ele atendeu ao meu lado, das desculpas que eu engoli, aquele papo de que a mãe que ficava doente, o amigo tinha brigado com a namorada, a cabeça que tava doendo, as provas fora de hora na faculdade. Eu só conseguia pensar que tinha desperdiçado todo o meu amor com alguém que não sabia amar. E queria que aquilo fosse só por sua causa, mas no fundo, bem no fundo, eu sabia que se não fosse você seria outra e outra e outra. Ele teria arranjado alguém, porque ele era o problema de tudo. Ele que tinha me prometido uma família, que falava do futuro, de filhos, que ia comigo em jantares de família e me levava pra viajar com os pais dele. Ele, que eu tanto confiei, era o erro.

Lembra que eu falei da pessoa bêbada caída? Pois é, com a maturidade a gente aprende que a grande maioria das pessoas não vivem aquilo porque querem, mas porque não conseguem se livrar. Talvez você não tenha conseguido cair fora, talvez seu amor de fato fosse de verdade, igual o meu era, por isso hoje eu entendo que o teu erro não foi, jamais, ter se apaixonado. Todo mundo está sujeito a isso, eu, inclusive, posso acabar caindo de amores por alguém que já tenha outro alguém, o que eu não posso, nem me permitira, é me envolver com essa pessoa. Teu erro não foi ter sido levada pelo papo dele, que é realmente muito bom, mas ter aceitado viver dentro de uma história em que o terceiro envolvido não tinha direito de escolha. Eu não tive, entende? E foi aí que você pecou. Eu precisava saber. Por que sim, eu teria feito diferente. Uma história que já começa dentro de uma ilusão, nunca vai conseguir se tornar realidade. Acho que você sabe melhor do que eu disso.

Talvez eu não seja evoluída o suficiente, mas por mais que você tenha sofrido, chorado e sentido, eu não consigo entender. Nem aceitar. Por mais que fosse ele quem tivesse um compromisso comigo, por mais que seja dele que eu tenho de cobrar alguma coisa, não entra na minha cabeça como alguém pode assistir o outro ser feita de palhaço e não fazer nada pra impedir. Você podia ter feito algo, por mais que não tivesse obrigação nenhuma disso. Você podia ter gritado a história toda, ter pulado fora se ele se recusasse a me contar, mas não, você só aceitou, quietinha, enquanto ele te trazia as sobras que eu deixava. Pode ser que se eu soubesse tivesse lutado por ele, mas com armas limpas, com cartas na mesa, porque é assim que tem de ser, porém eu acredito que quando a gente tem que brigar por algo, é porque aquilo já não nos pertence. Ele não pertencia a nenhuma.

Não sou ninguém pra me julgar melhor ou pior do que você, também não posso me colocar no teu lugar, acho que ele é pequeno demais pra mim, e eu não aprendi a me diminuir por ninguém. Quem sabe você não seja mesmo uma pessoa incrível, e numa outra situação pudéssemos até ser boas amigas, mas a visão que você deixou pra mim não foi das melhores. Infelizmente. A vida segue, a minha está seguindo, você deveria fazer o mesmo com a sua. A gente aprende com as situações, eu aprendi, e não desejo pra ninguém a dor que eu senti. Nem mesmo pra você. Na guerra pode até valer de tudo, mas no amor, ah, no amor não vale não. No amor só vale aquilo que for limpo, caso contrário só serve pra poluir uma coisa que nasceu bonita. Boa sorte, mas até nunca mais.

*imagem via reprodução

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.