Nova Perspectiva

4 de maio de 2016

Amy: minha filha

Via Reprodução

Não lembro ao certo quantos anos eu tinha quando me peguei dançando e cantarolando sozinha ao som de Rehab. O que posso dizer é que Amy Winehouse, com uma voz marcante e inconfundível, lidera o ranking das minhas cantoras favoritas. Infelizmente, desde 23 de julho de 2011 Amy já não vive mais, porém quem acompanhou a carreira da artista sabe o quanto ela contribuiu para gêneros musicais como soul, jazz e R&B.

A dica literária de hoje do Blog Nova Perspectiva é sobre o livro Amy Minha Filha, escrito por Mitch Winehouse, o pai de Amy. Em um relato emocionante e rico em detalhes, Mitch mostra que desde a infância Amy se destacou por ser diferente das demais crianças. A biografia conta de maneira sincera e comovente como a cantora se tornou uma grande estrela e também como caiu no vício das drogas, morrendo prematuramente aos 27 anos. Além da narração completa sobre os principais momentos da vida da filha, o livro de Mitch traz fotos de Amy quando criança e muitos desenhos que ela fez ainda na época da escola, deixando o leitor próximo da realidade da cantora. 

O livro foi publicado pela Editora Record e possui 348 páginas/ Foto: Hidaiana Rosa

Amy iniciou a carreira musical quando ainda era adolescente. Na época, fazia apresentações em pequenos bares e clubes de jazz de Londres. A sua primeira aparição foi em 2003, com o lançamento do disco Frank. Contudo, foi apenas em 2006, com o álbum Back to Black, que Amy ganhou destaque. Back to Black vendeu seis milhões de cópias e em 2007 se tornou um dos discos mais vendidos.

Apesar do sucesso, a carreira de Amy foi várias vezes ofuscada por problemas pessoais, principalmente o casamento conturbado com Blake Fielder, uma vez que as brigas do casal sempre estampavam as manchetes dos jornais. Além disso, o envolvimento com álcool e drogas prejudicou a imagem da cantora. 

Amy Winehouse foi encontrada morta em sua casa em Londres no ano de 2011. De acordo com os médicos, a causa da morte foi intoxicação por álcool.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.