Nova Perspectiva

30 de abril de 2016

Histórias de amor também acabam

É triste olhar pro lado e não conseguir enxergar no outro aquela pessoa que fazia seu coração explodir de tanto bater. A gente sonhava muito, cê lembra? Fazíamos promessas e planos de um futuro que já não se encaixa mais nas nossas histórias. É foda te ver e não enxergar o cara que me tirava do eixo com um simples sorriso, aquele que fazia meu mundo todo bambear só de chegar perto, pior ainda é saber que a culpa disso tudo não é sua, nem minha, é da vida, isso, foi ela que por algum motivo resolveu pregar uma dessas peças gigantes em nós dois e fazer tudo perder o sentido.

Eu sei que também não tá fácil pra você, dói ter que reconhecer que a história de amor da nossa vida não cabe mais nas nossas vidas. Nossas. Nos últimos tempos voltamos a ser plural. Eu e você, você e eu. É horrível te assistir fazendo a mala e levando embora uma parte de tudo o que um dia foi tudo pra nós. Mas a gente sabe que por mais doloroso que seja, mais degradante seria ficar levando com a barriga uma coisa que um dia foi bonita, foi sim, mas que já não faz mais bem nem pra mim e nem pra você. Pior seria transformar o nosso romance em obrigação, como se por um dia ter tido amor nunca mais pudesse deixar de ter.

Deixamos, não sei bem quando, nem se houve algum motivo especifico pra isso. Talvez tenha sido a rotina que acabou com a cor da nossa relação, talvez não tenhamos conseguido lidar bem com o estresse do dia a dia, talvez só não fossemos pra ser eternos. Talvez é tanto coisa que não adianta nem quebrar a cabeça tentando descobrir, isso não muda nada. Você não vai estar aqui amanhã de manhã, não vai ver as flores que a gente plantou lá no quintal florescer na primavera e nem vai me fazer desistir de ir pro sítio pra poder descer pra praia com os seus amigos quando o verão voltar. Você não vai, porque agora você tá indo.

Histórias de amor também acabam, a gente descobre na raça que esse papo de que amores verdadeiros duram pra sempre é só balela, coisa de cinema, de novela, de livro, amores de verdade, às vezes, duram só um dia. Nós duramos um pouco mais, mas não foi o suficiente pra mudarmos pra um lugar maior e planejarmos os nomes das crianças. Nosso tempo foi curto pra realizarmos grande parte dos nossos planos, mas não se deixe enganar, o nosso amor, ah, ele em si foi tão grande quanto qualquer outro que dure uma vida inteira. Eu sei que abrir mão disso tudo parece loucura, mas mais doidos seríamos se continuássemos empurrando o fim.

Levar uma relação com a barriga só pra não precisar abrir mão dela é optar por jogar rio à baixo uma história inteira, é egoísta querer continuar com o outro só pra não perde-lo quando os dois, na verdade, já estão perdidos. O sentimento acabou, congelou, morreu, sei lá, mas ele não tá mais aqui, então a gente não precisa ficar também, não importa o que façamos ou quanto a gente lute e insista: vai ser em vão. Nada vai mudar. Vamos só nos ferir e nos machucar e nos agredir, não vale a pena, por isso eu te deixo ir, por isso eu abro a porta e te desejo boa sorte. Vai com Deus, me liga se sentir saudade, mas desliga se sentir necessidade.

2 comentários:

  1. Você não sabe o quanto me inspira a escrever o meu livro e os artigos do meu blog. Caramba, você abriu a minha mente para tantas coisas! Obrigada, de coração!

    ResponderExcluir
  2. Muitas vezes na vida deixamos de enxergar o outro, a pessoa que está ali do nosso lado não por egoísmo ou por estar mais interessada na novela, mas por que a vida nos leva por um caminho que nem sempre conseguimos entende-la. O amor apesar de não durar para sempre dura o tempo necessário para percebemos que não podemos viver sem ele.

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.