Nova Perspectiva

6 de abril de 2016

Cada um cede de um lado para o relacionamento dar certo, meu amor


Sexta feira a noite e você só quer saber de ficar em casa deitado no sofá enquanto eu já tô com a maquiagem pronta, com minha roupa nova e a vontade de ver o que o mundo tem para nos oferecer. Toda vez que você deita no sofá e diz que só quer esperar o mundo acabar, me dá vontade de te dar um chute na cara, você sabe bem. Eu e esse meu jeito agitado de ser e você com essa mania de "deboísmo"...

É nessas horas que eu fico pensando se realmente vale a pena abrir mão do que eu gosto para ficar com você. Mas quando eu tenho uma centelha de pensamento negativo logo me lembro de absolutamente tudo que você fez por mim. Tipo aquele dia que você deixou de lado um compromisso de família porque eu eu não estava me sentindo bem. Ou quando você atravessou a cidade, largou o trampo e deu tudo de si só pra me dar um abraço, porque as coisas não estavam nem em 50%.

Pois é, eu acho que relacionamento é isso mesmo. É você querer com todas as suas forças encontrar as suas amigas com quem você bate papo no whatsapp todos os dias e deixar de ir porque a pessoa que você ama está indisposta. É você deixar de tomar café perto dela porque ela morre de vontade e o café tá cortado da vida dela (porque café é bom, mas aumenta a ansiedade). É você acordar mais cedo só pra poder dar "bom dia" no estilo que quiser e dar aquele "tchauzinho" preguiçoso e cheio de vontade de apertar o alvo do seu afeto.

Amar é estar atento a tudo que acontece na sua vida normalmente, e sempre se lembrar que existe alguém que você ama e que pode estar pensando em ti. E sorrir igual uma criança nesses momentos. A gente até costuma trocar mensagens clichês com aquelas frases típicas: "te amo!", "você é lindo", "tô com saudade". Mesmo sendo piegas, a gente sorri de volta para a mensagem. Porque a gente sabe que por mais repetitivo que soe, é a verdade.

Amar é sentir falta e saber que em algum momento a gente vai se ver de novo e vai ser bom. É ter a tranquilidade de pensar e ficar bem com alguém, mesmo que não esteja tudo saindo conforme o planejado.

Muitas das minhas amigas dizem que só se sentirão completas quando acharem alguém igual a elas ou que seja perfeito. Mas pra mim, amor não existe onde tem perfeição, porque fica muito fácil amar desse jeito. Amar é suportar as coisas que nos incomodam e lidar com elas de forma madura, sem tentar impor nosso jeito. É saber desviar (dando a seta, obviamente) dos obstáculos de mãos dadas e dizendo "se você pular, eu pulo".

Mas não da forma que a paixão faria: a gente não pula do precipício de olhos vendados, mas nos chamamos de imbecis, temos um momento esporro, damos as mãos e caímos no mundo com um objetivo maior que simplesmente passar por bons momentos.

Estamos cientes que o amor mora na tolerância e nas coisas difíceis de lidar. A gente sabe exatamente qual o defeito do outro mais nos incomoda e sabemos que não vai ser isso que vai destruir tudo que construímos e sabemos que não é o maior bicho de sete cabeças da história mundial. A gente tem aquela noção de que ao ceder, as coisas podem ser mais leves. E fico até emocionada quando você cede em algo por mim, mas a verdade é que isso geralmente passa batido aos olhos da rotina.

E eu cedo aqui, você cede ali... é nesse mar de gentilezas que a gente se redescobre, reinventa... e quando a gente está junto... é uma maravilha!

Te amo. E obrigada por me ajudar a ajustar os meus ponteiros e ter confiança para que eu te ajude a ajustar os seus!

*imagem via tumblr

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.