Nova Perspectiva

9 de abril de 2016

Acho que desde sempre foi amor

Dia desses quando nós já estávamos deitados pra dormir você me perguntou baixinho quando foi que eu percebi que cê era o homem da minha vida, fingi que já tinha pego no sono até sentir você virar pro lado meio desapontado em sinal de desistência, logo foi você quem adormeceu. Depois disso eu passei quase duras horas olhando para o seu semblante sereno sem me cansar de uma partezinha sequer sua, enquanto te via eu tentava encontrar mentalmente pela resposta da sua pergunta. Quando foi? Não sei ao certo, porque eu só sei que foi.

Talvez tenha sido no nosso primeiro encontro, lembra? Lá naquele botequim de esquina em que dividimos duas cervejas, uma porção de batata e os nossos corações partidos por histórias erradas; talvez depois do nosso primeiro beijo, quando cê me puxou pelo braço antes deu entrar no táxi no meio da chuva e fez a Av. Paulista parar só pra acompanhar a gente. Quem sabe não foi quando cê disse eu te amo pela primeira vez e eu quis congelar aquele momento? Pode ser que tenha sido depois de um demorado café da manhã em que eu me questionava secretamente por que você adoça tanto o café e tem o sorriso tão bonito.

Eu não conseguia saber, por mais que eu pensasse e repensasse em todos os nossos momentos e em todas as vezes que quis te guardar só pra mim por medo do mundo te roubar. Eu não sabia porque não houve esse dia, não houve esse instalo de consciência que me fez perceber que eu tinha cruzado com o cara certo, eu sempre soube que era você, porque eu te amei desde o começo. Te amei desde o dia em que você sentou ao meu lado no ônibus e olhou pro livro que eu estava lendo e disse que eu era sua alma gêmea porque ninguém, ninguém mesmo, conseguia ler Stephan King com a expressão tão mansa quanto a minha.

Foi lá, também, que eu te contei da faculdade e do meu sonho de conhecer o mundo, você falou do seu trabalho, de como tava cansado de fazer as mesmas coisas, e disse que iria comigo pra onde eu fosse, meio brincando, meio esperando que eu levasse aquilo à sério e eu quis que você viesse, ainda que não fosse pro mundo todo, ainda que não fosse pra uma viagem nem pra um lugar em especial. Eu quis que você viesse mesmo que fosse só pra minha vida, e você veio. Ali já era amor, ali, naquele ônibus lotado em horário de rush, no meio do cansaço da cidade que não dorme, já era a gente.

Eu nunca descobri que era você, simplesmente foi.

*imagem via wehearit

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.