Nova Perspectiva

24 de março de 2016

Sobre ter te esquecido

Eu confesso que precisei ser muito racional desde que decidi colocar pôr um ponto final na nossa história, nesse meio tempo eu relutei diversas vezes, foi foda bater o pé e não adiar um pouco mais o nosso fim. Cheguei a cogitar mudar tudo pra reticências, adicionar alguns pontinhos e, xáblau, voltar de onde tínhamos parado. Também pensei em te convidar pra que escrevêssemos um novo parágrafo nesse livro, pra que assim déssemos mais uma chance pra fazermos diferente, ou então, sei lá, só continuar de onde tínhamos parado como se nada tivesse acontecido. Enquanto eu seguia em frente e te tirava cada vez mais de mim, o meu coração implorava pra que eu parasse de seguir em frente e voltasse atrás, pra que eu insistisse um pouquinho mais na nossa história, só pra ver se não dava pra dar nenhum jeitinho em nós dois. Não dava, eu sabia, ainda que eu quisesse muito, ainda que eu tentasse muito, nossa história não tinha mais conserto, por isso eu fui forte e resisti.

Resisti a saudade, as lembranças e aquela poesia que você me escreveu num dia de chuva e eu guardei na estante da sala. Resisti as nossas fotografias que eu encontrei espalhadas no canto do armário. Resisti ao seu perfume que ficou na minha roupa e aquela sua camiseta que cê esqueceu no varal. Resisti ao seu filme preferido, ao final da sua série e quando tocou na balada aquela música que a gente dançou junto em uma festa em que estávamos com os seus amigos. Resisti quando te encontrei no shopping com ela e não corri pro banheiro pra chorar. Resisti quando quis te ligar e comecei a pensar em um monte de números pra ver se eu esquecia do teu. Não esqueci, mas resisti. Resisti ao inverno e ao frio que fez sem ter teu corpo ao lado do meu pra me esquentar. Resisti quando eu passei em frente à sua nova casa e não toquei a campainha, mesmo tendo passado horas parada só esperando a chance de te ver.

Resisti quando fiquei o dia todo sem chorar no nosso aniversário de namoro. Resisti quando deixei de falar de você para os meus amigos, porque já não tinha mais nada a ver, quando parei de me lamentar pelo nosso final e de me culpar por não ter dado certo. Resisti quando eu tive medo de nunca superar e te esquecer e quis sair correndo, mas fiquei forte e lutei, ainda mais, pra me livrar de tudo o que estava me prendendo. Resisti quando eu joguei fora uma caixa cheia de coisas que você deixou pra trás. Resisti quando eu te expulsei de mim, mesmo morrendo de vontade de te chamar pra voltar. Eu resisti diariamente, resisti porque se eu desistisse estaria abrindo mão de mim e isso eu não podia fazer. Cada vez que eu engoli o choro eu fiquei mais forte, cada vez que eu me afastei das lembranças, me abri mais pra coisas novas.

Ao todo a parte mais difícil foi não te procurar. Eu tive de me segurar inúmeras vezes pra não perguntar sobre você pra alguma amiga, acabei tendo de me esquivar dos assuntos que citavam o seu nome e mudei meus horários pra não correr o risco de esbarrar com você e me lembrar do tamanho do meu amor. Eu precisava me esconder da gente pra ver se me perdia de você. Teve algumas madrugadas em que eu precisei lutar contra todo o meu desejo de te caçar nas redes sociais. Será que eles terminaram? Será que ele percebeu que aquela história não tem nada a ver? Vai que ele postou nossa música, né? Ou alguma indireta gritando nas entrelinhas que tá com saudade, quem sabe? Perdi algumas batalhas, confesso, mas venci a maioria delas porque eu sabia, no fundo eu sabia, que todo aquele desgaste já não valia mais a pena. E eu precisava apostar em quem valia, então apostei em mim.

*imagem via weheartit

Um comentário:

  1. Bom dia *-*
    Realmente um texto que traz muitas histórias pessoais a tona...
    Encaro mais a parte do insistir mesmo sabendo que não dá mais, nem sempre como amor, ás vezes é só uma defesa á frustração de ter consciência de que não se deu ceto com alguém, uma mistura errônea de se sentir incapaz e frustrada ao máximo. É uma mistura de sentimentos e lembranças muito forte para se ser 100% racional. Mas acredito também que a racionalidade é o que pode resolver, ou pelo menos amenizar os danos e assegurar as coisas boas...
    Eu tenho mania de colocar reticências em tudo, tenho pavor de um bom ponto final; não sei lidar com frustrações e recomeços, ainda! Já fui pior... Aliás até meus textos são recheados, desnecessariamente, de reticências; as acho lindas haha
    Blog Seja Frugal

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.