Nova Perspectiva

8 de março de 2016

Por favor, não me venha com flores

Via reprodução
Um buquê de rosas não vai apagar todos os outros dias de luta, nem aliviar a batalha diária que a gente enfrenta só por ser mulher. Por isso eu te peço pra que pelo menos dessa vez deixe de lado as flores, as caixas de bombom e o parabéns, até agradeço a intenção, mas não é isso que vai ajudar a curar os nossos machucados, nem a resolver os obstáculos que temos de ultrapassar. Se você acredita que nós temos direito de pedir neste dia 8, escuta com atenção cara, a gente quer respeito, só isso, tudo isso, em todos os dias do ano.

Recuso a sua rosa, mas aceito a sua empatia. Recuso o seu chocolate, mas aceito que você abra a cabeça e conheça um pouco da minha luta, na verdade te um peço um pouco mais que isso: peço pra que você se esforce pra entendê-la. Ser mulher é bem mais do que fazer jornada dupla, não tem a ver com conciliar trabalho com tarefas domésticas e filhos e estudos e seja lá o que for, ser mulher, na verdade, é ter de acordar todos os dias pronta pra dar 150 por cento de si e saber que talvez nem assim seja o suficiente pra bater aquele cara, que pode não ser tão bom, mas nasceu com o cromossomo Y.

Ser mulher é punk, e não digo isso pela ideia de que a gente enfrenta tudo sobre o salto agulha, nem sempre é assim cara, aliás, este próprio estereótipo de mulher forte dentro de um vestidinho justo já fode com a gente. Não somos a Barbie - e nem queremos ser. Nossa luta não se limita à um sapato que aperta o pé e nem ao rímel borrado depois do coração partido. Não nos diminua à meras mocinhas de novela das seis. Não somos indefesas e nem estamos desesperadas pra sermos salvas pelo príncipe encantado, a gente nem quer um príncipe, queremos alguém de verdade que não nos aplauda só no dia 8.

Sabe o que é cara, eu não preciso de frase pronta e de ninguém me lembrando o quanto nós somos fodas só por sermos quem somos. Eu preciso que você não olhe pra minha bunda quando eu passar, preciso que você não assovie e nem reproduza sons grotescos quando me ver na rua, preciso que você não me encoche dentro do transporte público e nem aproveite das situações pra dar uma "passadinha de mão". Eu preciso que você não me julgue pelo tamanho da minha saia, que não objetifique o meu comportamento, não tire lasquinha quando eu não puder me defender e não me desmereça nos outros dias do ano.

Neste 8 de março eu peço que você não me dedique um feliz dia da mulher, mas que entenda o real significado deste dia, o seu peso e a importância dele na vida de nós mulheres. Se você conseguir entender tudo isso, então leve o aprendizado pros outros dias, te garanto que vai valer muito mais do que qualquer presente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.