Nova Perspectiva

10 de março de 2016

Carta meio sem graça de alguém meio sem jeito

Via reprodução
Eu te confesso que não sei direito como começar essa carta, já tentei mais de vinte vezes e nenhuma fica boa o suficiente, como se eu, logo eu, tivesse me esquecido de como é que se faz pra criar um texto bonito. Pela primeira vez em muitos anos não to conseguindo pôr em palavras tudo o que está se passando aqui dentro de mim, to perdida, confusa e assustada tentando juntar letrinhas pra te falar o que tá escrito na minha cara desde a primeira vez que nos vimos. Eu to reaprendendo a escrever, do mesmo jeito que preciso reaprendendo a amar.

Eu sei que você tá apavorado com tudo o que está acontecendo, mas, meu bem, eu também estou. Eu to com medo e sem saber como eu faço pra lidar com essas coisas que a gente sequer escolhe sentir. Eu quero que você confie em mim, porque eu quero poder confiar em você, quero me jogar e ter a certeza de que você não vai ficar pra trás independente do tamanho deste precipício. Dá um frio na barriga olhar pra frente e não saber o que está por vir, mas se a gente se segurar firme um no outro eu sei que vamos poder aproveitar a vista independente do caos que seja.

Quero que cê saiba que eu soube que era você quando olhei nos seus olhos e fui fundo o suficiente pra me perder ai dentro. Eu até tentei fingir que não tava entendendo o que tava acontecendo, é que eu tava machucada demais e despreparada demais pra deixar que alguém entrasse em mim, então você me invadiu. Por mais que eu tenha tentado resistir não deu pra me enganar dizendo que era só empolgação, desde o começo nós fomos muito mais do que isso. Sei lá meu bem, tem coisas que só Deus explica. Eu lutei de todas as formas, mas talvez, no fundo, eu nem quisesse te expulsar de mim e você foi ficando, ficando, ficando. E ficou.

Eu comecei a pensar em você sem que eu me desse conta do quanto aquilo podia crescer. Aos poucos cê foi se apossando da minha hora de dormir, do caminho até a faculdade, dos meus assuntos, seu nome acabou ganhando um espaço especial na minha roda de amigos. Comecei a esperar por alguma mensagem, qualquer mensagem, algo que me fizesse ter um pouco de fé em nós dois, que me fizesse acreditar que de certa for a gente ia se esforçar e que ia dar certo. Eu queria saber se você tava comigo do mesmo jeito que eu tava contigo, mas o seu silêncio esmaga o meu corpo estraçalhando cada ferida que já tinha cicatrizado.

Não sei como foi que eu deixei isso acontecer meu bem, nem se tá acontecendo pra você também, é tudo muito novo e eu não consigo prever o amanhã, só espero que seja contigo. Só espero que você perceba o que eu já percebi faz algum tempo e me diga que não importa o que aconteça, vamos ser nós dois no final, porque não pode ter sido só isso, não quero que sejamos só isso. Aqui em mim eu sinto que tem algo a mais, eu sei que Ele te colocou aqui por alguma outra razão e se você tiver um pouco de coragem a gente descobre ela junto. Eu e você, você e eu, independente dos desejos do mundo.

Fica, que eu fico também.

2 comentários:

  1. Uau. É simplesmente tudo que eu tenho a dizer! Você é uma escritora incrível, parabéns e não pare por aqui...

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.