Nova Perspectiva

11 de fevereiro de 2016

A Herdeira

Título: A Herdeira
Autora: Kiera Cass
Editora: Seguinte
Páginas: 390

Depois de toda a trama de Iléa na série de "A Seleção", Kiera Cass nos conta em "A Herdeira" o que anda acontecendo no reino depois de alguns anos.

A história dos três livros anteriores se repete, mas dessa vez encontramos personagens diferentes no enredo. Eadlyn é a protagonista e é a herdeira do trono de Iléa. Devido a alguns ataques rebeldes seus pais decidem que devem distrair o povo até que pensem em uma solução para resolver o problema, e a distração é fazer Eadlyn, a princesa de dezoito anos, participar de uma Seleção para escolher o futuro príncipe do reino. 

A partir desse momento nos deparamos com uma confusão imensa na cabeça da protagonista, já que ela não quer encontrar sua alma gêmea dessa forma. Depois de algum tempo, trinta e cinco garotos se mudam para o palácio e disputam o coração da jovem moça, que está decidida a enfrentar a Seleção da melhor forma possível: fazer com que todos os meninos a odeiem.
Obviamente, as coisas não ocorrem como o desejado, e Eadlyn se vê cada vez mais confusa. Infelizmente, a protagonista não é uma das pessoas mais agradáveis e provocou uma certa irritação enquanto eu realizava a leitura da obra. A princesa não tem um pingo de humildade e espera que as coisas caiam aos seus pés, deixando o leitor por vezes estressado com suas atitudes.

Apesar da escrita leve da Kiera Cass e de sua facilidade em descrever as cenas, os seus livros perdem pontos no desenvolvimento dos personagens, causando um certo desconforto. Outro ponto negativo e bastante relevante é que em "A herdeira" vemos a história dos livros de "A seleção" se repetir. Enquanto a autora poderia explorar e se focar no palácio, nos rebeldes e no reino em geral, dando mais curiosidade ao decorrer da leitura, nos deparamos com a mesma história anterior com personagens diferentes.
Uma leitura rápida e super válida que não deve ser descartada, mas que poderia ser melhor. A história tem uma maneira incrível de se desenvolver e prender a sua atenção, tanto é que o leitor nem percebe as horas passarem. E por termos uma protagonista mesquinha, aprendemos uma grande e bela lição: simpatia e humildade são características essênciais no caráter de uma pessoa, e devem sim ser demonstradas. Não adianta sermos bons e não demonstrarmos bondade, afinal. ;)

4 comentários:

  1. Achei que realmente a leitura deixou a desejar, foi muito repeteco das histórias dos primeiros livros... O que é uma pena. Existia muito potencial aí. Mas pelo menos é uma leitura divertida.
    Beijos
    Mari
    www.pequenosretalhos.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma pena mesmo, Mari. Já tive várias ideias que poderiam ter sido o alvo da autora e que foram sendo descartadas ao decorrer da leitura. Beijos! <3

      Excluir
  2. Concordo demais quando diz que a autora poderia abordar temas que foram segundo plano nos outros livros, até fiquei esperando que algo grandioso acontecesse, mas não foi bem assim, o livro é bom.

    Beijos
    Dani Cruz
    blog-emcomum.blogspot.com.br
    Twitter - @blogemcomum / Insta - @blogemcomum / Fanpage Em Comum

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente! Mas eu continuo esperando alguma surpresa no próximo livro, "A coroa", que faça com que a leitura se torne especial, como aconteceu em "A escolha". Beijos, Dani!

      Excluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.